sábado, 10 de maio de 2014

THE ROLLING STONES - SATISFACTION

“É o riff que se ouve ao redor do mundo", diz Steve van Zandt, • guitarrista da E I Street Band. "E é um dos mais antigos exemplos de Dylan influenciando os Stones e os Beatles - o grau de cinismo, e a ideia de trazer mais letras pessoais da tradição do folk e do blues para a música popular."
O riff veio a Keith Richards em um sonho, numa noite de maio de 1965, em seu quarto de motel em Clearwater, Flórida, na terceira turnê norte-americana dos Rolling Stones. Ele acordou, pegou um violão e um gravador de fita cassete. Richards tocou a sequência de notas uma vez, então caiu no sono de novo. "Na fita", contou ele mais tarde, "dá para ouvir quando deixo a palheta cair, e o resto é ronco". Essa fagulha na noite - o riff que abre e define "(I Can't Get No) Satisfaction" - transformou o balançado e meigo rock and roll dos primórdios em simplesmente rock. O temperamento primitivo da criação de Richards, tocada através de uma Gibson Fuzz Box; o escárnio e o desprezo nos versos de Mick Jagger; a empáfia do guitarrista base Brian Jones, do baixista Bill Wyman e do baterista Charlie Watts: era o som de uma gera¬ção impaciente para herdar a Terra.
Duas décadas mais tarde, Jagger admitiu que "Satisfaction" era "minha visão do mundo, minha frustração com tudo". Inspirado pelo riff e pelo título, também ideia de Richards, Jagger escreveu a letra - uma litania de desgosto com a "América e sua síndrome de propaganda, a barragem constante" - em dez minutos, à beira da piscina do motel no dia seguinte ao sonho de Richards. Eles tentaram gravar a música uns poucos dias mais tarde, em 10 de maio, nos estúdios da Chess, em Chicago. Dois dias depois disso, eles a finalizaram no RCA Studios, em Hollywood, com o vital complemento do fuzz. "O riff precisava se sustentar sozinho", disse Richards, " e Gibson tinha acabado de comprar aquelas caixinhas". "Satisfaction" era rock com o ousado design dos Stones - embora Richards possa também ter sonhado com Chuck Berry naquela noite em Clearwater.
Jagger mais tarde sugeriu que Richards inconscientemente tirou o gancho de "Satisfaction" de uma linha do single de Berry de 1955, "30 Days" ("I don't get no satisfaction from the judge" - "Eu não consigo tirar nenhuma satisfação do juiz"). "Um inglês não se ex¬pressaria assim de jeito nenhum", res¬saltou Jagger. "Não estou dizendo que ele roubou algo de propósito, mas nós ouvíamos bastante aqueles discos."
"Satisfaction" foi lançada como um single nos Estados Unidos pela London Records em 6 de junho de 1965, com "The Under-Assistant West Coast Promotion Man" como lado B. O single seguiu seu caminho pelos charts americanos, alcançando o top 10 de julho, tirando o lugar de The Four Tops' "I Can't Help Myself (Sugar Pie Honey Bunch)". "Satisfaction" aguentou por quatro semanas completas, perdendo seu lugar em 7 de Agosto para a canção "I'm Henry the Eigth, I Am" dos Herman's Hermits. A canção entrou nos charts americandos da Billboard Hot 100 no dia 12 de Junho de 1965, permanecendo lá por 14 semanas; sendo número 1 por quatro semanas seguidas. Durante a sua oitava semana nos charts, o single foi certificado como ouro pela RIAA por ter vendido mais de meio milhão de cópias nos Estados Unidos, dando a banda seu primeiro de tantos discos de ouro na América. Mais tarde foi lançada também nos Estados Unidos pela London Recors no álbum Out of Our Heads. Satisfaction aparece como nº 2, na lista da Rolling Stone das 500 melhores músicas de todos os tempos, atrás de "Like a Rolling Stone" de Bob Dylan e na frente de "Imagine" de John Lennon.

3 comentários:

Murilo Pedreira disse...

Por muito tempo eu subestimei essa banda, mas hoje eu me rendo...

Arleide Souza disse...

Mick Jagger é um verdadeiro front man, não tem como ficar parada ao vê-lo em ação!

Murilo Pedreira disse...

I Can't Get No é uma ótima canção para boys bands encaixa-la num medley ao vivo.