terça-feira, 31 de março de 2015

THE BEATLES - I'M A LOSER - SENSACIONAL!

2 comentários:

Em 1964, dois fatos tiveram efeito profundo nas composições de John. O primeiro deles foi ouvir a música de Bob Dylan em Paris, quando Paul ganhou o LP The Freewheelin'Bob Dylan de um DJ de uma rádio local. Paul já tinha ouvido a música de Bob Dylan antes, mas John ainda não a conhecia. Depois de ouvir Freewheelin', segundo álbum de Dylan, eles compraram Bob Dylan, seu álbum de estreia, e, de acordo com John, "não conseguíamos parar de ouvi-lo por três semanas. Todos nós fica­mos loucos por Dylan". O segundo fato que teve grande impacto para John foi conhecer o jornalista Kenneth Allsop, que escrevia para o jornal Daily Mail e era entrevistador do noticiário Tonight, da BBC Television. John o conheceu em 23 de março, depois o encontrou de novo em um evento literário da livraria Foyles, no Dorchester Hotel. Nesse mesmo dia, foi entre­vistado no Tonight sobre seu livro, In His Own Write. Allsop, um homem bonito e durão deYorkshire, tinha 44 anos na época e era um dos rostos mais conhecidos da televisão britânica. Jornalista desde 1938, ele havia também servido, durante a guerra, na Royal Air Force. Na primeira conversa de John com o jornalista, no estúdio Lime Grove da BBC, Allsop foi enfático ao recomendar ao Beatle que não escondesse seus sentimentos por trás das convenções da música pop. A leitura de "In His Own Write" levara Allsop a acreditar que John tinha muito mais a oferecer. Anos depois, John disse ao seu confidente Elliot Mintz que esse encontro havia sido um momento decisivo para o modo dele de compor. "Ele me contou que estava particularmente ansioso naquele dia e, por causa disso, ficou muito falante e envolvido na conversa com Allsop", diz Mintz. "Allsop disse a ele que não morria de amores pelas canções dos Beatles porque todas tendiam a ser 'ela o ama', 'ele a ama', eles a amam' e 'eu a amo'. Ele sugeriu que John tentasse escrever algo mais autobiográfico, em vez de usar os velhos temas superficiais. Isso res­soou dentro dele." Apesar de ter sido gravada cinco meses depois, "I'm A Loser" pode ser considerada o primeiro fruto desse encontro com Allsop. Seria equivocado dizer que foi uma mudança completa de direção, porque desde o começo John tinha escrito músicas em que se revelava solitá­rio, triste e abandonado, mas em 'Im a Loser" ele se expôs mais. Vista de forma superficial, ela é mais uma canção sobre perder uma namorada. Mas alguns versos, como a passagem na qual ele diz que sob a máscara ele está "wearing a frown", 58 sugerem que ele se con­sidera um fracasso em mais de uma maneira. Não é apenas um fra­casso no amor, é também um fracasso na vida. "I'm A Loser" pode ser vista hoje como um estágio inicial da tortuo­sa jornada de John rumo à franca autorrevelação. Na época, ele logo revelou o efeito que Bob Dylan teve em "I'm a Loser". "Qualquer um que seja um dos melhores em sua área - como Dylan é - acaba influenciando os demais", ele afirmou na ocasião. "Eu não me sur­preenderia se nós o tivermos influenciado de alguma forma. "I'm A Loser" foi gravada em agosto de 1964. John deu alguns sinais de como estava sendo sincero na letra. Um deles foi um comentário que fez a Ray Coleman, da Melody Maker, dois meses depois, quando estavam nos bastidores de um show. Enquanto era maquiado para subir ao palco ele disse: "Eu gostaria que me pintassem um sorriso também. Acha que vou conseguir sorrir hoje à noite? Às vezes eu me pergunto como é que nós conseguimos seguir adiante".

JOHN LENNON - JEALOUS GUY - ABSOLUTAMENTE DEMAIS!

3 comentários:

"Jealous Guy" é uma das mais belas canções escritas e interpretadas por John Lennon. Apareceu pela primeira vez 1971 em seu álbum Imagine."Jealous Guy" também é uma das canções mais regravadas de Lennon, com pelo menos 95 versões, sendo a mais conhecida a gravação do Roxy Music, que alcançou o número um em vários países três meses após a morte de John Lennon. A origem da composição aparece na Índia, depois que os Beatles assistiram a uma palestra do Maharishi sobre um "son of the mother nature". Isso inspirou tanto Paul McCartney como John Lennon para escreverem canções sobre o mesmo assunto. A música de McCartney "Mother Nature's Son" foi selecionada para o álbum branco, enquanto canção de Lennon "Child of Nature" não foi, mas antes que alguém pense bobagem, apenas porque não estava pronta e sequer tinha letra. No entanto, ambas foram gravadas como demos na casa de George Harrison em Esher em maio de 1968. A demonstração contou com vocal de Lennon e uma guitarra acústica. Depois disso, Lennon continuou a tocá-la em algumas sessões. Eventualmente, a letra e o conceito foram demolidos e substituídos pelos versos de "Jealous Guy" que foi lançada somente em Imagine e durante a vida de Lennon, nunca foi lançada como single. Quase cinco anos após o assassinato de Lennon, e quatro anos e meio depois do Roxy Music alcançar o número um nas paradas do Reino Unido em 1981, a gravação de "Jealous Guy" de John Lennon, foi lançada pela Parlophone como single em novembro de 1985, tendo "Going Down on Love" do Walls And Bridges como lado B. Esse single de Lennon, só alcançou o número 65 nas paradas. Nos Estados Unidos, chegou ao número 80 da Billboard Hot 100 em novembro de 1988, junto com o lançamento do filme Imagine: John Lennon. Agora a gente confere a música com o tal de Brian Ferry e seu Roxy Music. Alguém pode até dizer que eu sou ciumento, mas a versão original gravada por John Lennon, dá pelo menos de 1000.000.000 a zero na desse gayzão! Quem é que vai dizer que não? E não é porque o John morreu não. É por que tudo que os Beatles fazem, ninguém faz melhor. Podem se passar + 10 mil anos! Necas!


segunda-feira, 30 de março de 2015

LOUISE HARRISON - A BANDA DO MEU IRMÃO - THE BEATLES!

3 comentários:

Louise Harrison publicou recentemente seu livro intitulado “My Kid Brother’s Band…a.k.a the Beatles!”, algo como "A Banda do Meu Irmão... ou os Beatles!" (2014, Acclaim Press.) O livro de 359 páginas inclui muitas facetas interessantes da história da família Harrison e sobre a vida de Louise, assim como de seu irmão, George Harrison e sua ascensão para a fama com os Beatles. "Tanta porcaria tem sido escrita sobre George e os Beatles. Metade delas, por pessoas que não passaram talvez uma hora com a banda num avião. Acho que é meu dever contar a verdade", disse Louise, de 84 anos.

O livro inclui registros desde os Quarrymen, da primeira turnê norte-americana dos Fab Four e fotografias e correspondências do irmão caçula nunca antes publicadas. Empresária da banda-tributo Liverpool Legends — criada por ela em Branson, Missouri (EUA), onde vive —, Louise morava nos Estados Unidos nos anos 60 e passava informações sobre o mercado norte-americano ao então empresário da banda, Brian Epstein. "Eu o avisei de que os Beatles não estourariam por aqui, e que eles realmente precisariam se apresentar do 'The Ed Sullivan Show' (programa de sucesso da TV americana nos anos 60 e 70), sobre o qual nunca tinham ouvido falar", destacou. Louise também desfaz o mito de que George era o beatle "mais quieto". "No fim de semana em que eles voaram para Nova York, para participarem do programa, George estava muito doente. Ele havia tomado algumas injeções e feito nebulização, e fui encarregada de cuidar dele.Tinham dito que ele deveria usar sua voz o mínimo possível. Por isso ficara tão quieto durante as entrevistas coletivas, e a imprensa pensou que ele fosse o mais silencioso. George costumava rir disso". Quem também contribui com o livro é o ex-marido de Louise, Walt Kane, que relembrou a angústia de George após o assassinato de John Lennon. "George eletrificou as cercas e contratou um guarda-costas. Ele dizia: 'Basta apenas um maníaco para dar cabo de mim'. Ele se cansou da fama. Queria ser apenas um jardineiro", afirmou Walt ao "Sarasota Herald-Tribune".
Em 2013, Louise estava passando por graves problemas financeiros e fez várias acusações à família Harrison (Olivia e Dhani) pela imprensa, e tudo ela reafirma agora. Quando George Harrison estava fraco, perto de ser vencido pelo câncer de pulmão que o matou no dia 29 de novembro de 2001, ele segurou as mãos da irmã, Louise, e disse, "você sabe, eu poderia tê-la ajudado muito mais. Desculpe-me". O eterno Beatle, então, a abraçou e pediu, "passe essa mensagem adiante". Doze anos depois da morte do músico, tudo foi esquecido. Enquanto a viúva de George, Olivia, e seu filho, Dhani, vivem em um castelo vitoriano de 120 cômodos próxima a Londres, avaliada em US$ 40 milhões, desfrutando dos mais de US$ 300 milhões deixados pelo Beatle quando de sua morte, Louise Harrison luta para sobreviver em uma casa pré-fabricada na área rural de uma cidadezinha perto de Branson, no Missouri, município com cerca de 10 mil habitantes. Aos 82 anos, Louise não é uma mulher gananciosa. Pelo contrário. Ela garante, por exemplo, que não liga para o fato de não viver no castelo com os herdeiros de seu irmão. Tampouco deseja colocar as mãos nos milhões deixados por ele. Mas gostaria de receber ajuda. Desde 1980, Louise recebeu mensalmente uma pensão de US$ 2 mil de George para auxiliá-la com alguns custos. Em 2002, no entanto, um ano depois da morte do irmão, ela simplesmente teve o pagamento - pequeno para os padrões da família Harrison - cortados. "Ele tinha a intenção de me dar esse dinheiro por toda a minha vida. George me dizia: 'dada a minha situação financeira, não há motivo algum para você passar necessidade'", ela recorda. "Mas eu nunca me preocupei com a possibilidade de a pensão terminar. Encontrei uma forma de me sustentar", ela conta, afirmando ser hoje empresária da Liverpool Legends, banda tributo aos Beatles, com a qual aproveita para contar histórias de bastidores do quarteto para os fãs e lhes mostrar alguns artefatos históricos que possui. No entanto, o trabalho não lhe fornece rendimentos quando o grupo não está em turnê. Louise se mudou para Illinois, nos EUA, com o então marido, um escocês, e os dois filhos na década de 1950 - muito antes de os Beatles se tornarem a lenda que foram no país. Uma década depois, foi ela quem assumiu a tarefa de viajar de cidade em cidade para levar os primeiros singles do quarteto a todas as rádios possíveis para implorar que fossem tocadas nos EUA. Foi ela quem conseguiu tornar From Me to You a primeira canção do quarteto tocada em uma estação do país, em junho de 1963. Louise ainda possui, inclusive, cartas do empresário dos Beatles, Brian Epstein, agradecendo-a por ajudar o grupo a estourar em território norte-americano. Para ela, não foi grande esforço. Afinal, tudo o que poderia fazer para ajudar o irmão caçula seria feito. Não foi mais do que sua obrigação. Mas ela também não imaginava que, hoje, tudo estaria esquecido. "Estou lutando para ter dinheiro, como todo mundo", Louise diz, sem deixar de desanimar. "Mas não estou na miséria, passando fome. Sinto-me muito afortunada por possuir um terreno e ter duas casas nele. Na verdade, é mais do que a maioria tem", ela resume.

AL PACINO - DANNY COLLINS - NÃO OLHE PARA TRÁS

6 comentários:
Em seu mais novo filme, "Danny Collins", Al Pacino interpreta um roqueiro velho e decadente que recebe uma nova perspectiva de vida, quando recebe uma carta de John Lennon escrita para ele há 40 anos. A história é baseada no fato verídico de Steve Tilston que, em 1971, foi um músico britânico preocupado em sucumbir às armadilhas da fama. Lennon leu uma entrevista com o jovem artista e estendeu a mão a Tilston através de uma carta, que dava conselhos e encorajamento, deixando o número do telefone de sua casa. Infelizmente, Tilston nunca recebeu a carta, e não tinha ideia de sua existência até 2005, quando um colecionador que comprou a carta localizou Tilston. 'Imagine' leva essa premissa, mas, em vez de Tilston ser um músico cuja carreira nunca atingiu nada, o roteirista Dan Fogelman criou Danny Collins, uma lenda do rock que se transformou em exatamente o que Tilston tinha medo de se tornar: uma estrela decadente do rock contente em ir a shows tocar seus hits em lotadas arenas. Mas receber a carta de Lennon depois de todos esses anos o faz lembrar do que ele já foi e decida mudar de vida, tanto para se reconectar com seu filho quanto com sua visão artística. O filme estrela Al Pacino como Collins, o que provavelmente significa muitas cenas fortes, antes que ele decida mudar de vida. Bobby Cannavale interpreta o filho alienado, e Annette Bening é a gerente do hotel para onde Collins se muda para como parte de sua busca por redenção. 
A CARTA PARA STEVE TILSTON - John Lennon, em 1971, enviou uma carta a um músico inglês de folk que chegou ao destinatário com quase 40 anos de atraso. Na carta, assinada também por Yoko Ono, o ex-Beatle dava conselhos ao cantor folk Steve Tilston. Para John Lennon, Steve Tilston não devia se preocupar face à eventualidade de um êxito financeiro arruinar as letras de suas canções. Lennon escreveu a Steve Tilston e ao jornalista Richard Howell depois de ter lido uma entrevista que o cantor dera a este jornalista em 1971 e que foi publicada numa revista sobre música. Yono Ono, (que em 18 de Fevereiro completa 80 anos), diz que se recorda do momento em que o marido escreveu a Steve Tilston.
No excelente e mais recente livro de Hunter Davies "As Cartas de John Lennon", a carta para Tilston aparece nas páginas 234 e 235. É a 155ª carta. Aqui, com a exclusividade absoluta de sempre, a gente confere o que Hunter Davies fala sobre o episódio e o que Lennon realmente disse na carta que nunca foi entregue.

John sabia ser simpático com os fãs - na verdade, ele quase sempre era, mesmo quando o abordavam em momentos ruins —, escrevendo para eles cartas divertidas, amistosas. Às vezes, como no caso de um jovem músico chamado Steve Tilston, ele escreveu para completos desconhecidos, em resposta a algo que haviam, dito em um jornal ou revista. Em entrevista publicada na revista ZigZag, Tilston, que tinha 21 anos na época, perguntava se ficar rico poderia prejudicar sua capacidade de escrever músicas fortes. Em carta endereçada aTilston aos cuidados de Richard Howell, o jornalista que o entrevistara, John escreveu para dizer que ser rico não muda a forma de pensar. Ele também carimbou o endereço de sua casa e o número do telefone, que era o equivalente a encorajar o jovem Tilston a responder a ele, talvez até aparecer à porta dele. Não fez isso - o coitado do Tilston nunca recebeu a carta. Ela ficou na redação da ZiqZaq, que fechou não muito tempo depois. Ele só soube da existência dela em 2005, quando foi contatado por um fã americano dos Beatles que tinha comprado a carta e decidira procurar Tilston para saber quem ele era. Ao ler a carta pela primeira vez, Tilston disse que teria ficado emocionadíssimo se a tivesse recebido. "Achei que era uma carta bem fraternal. Não hostil, mas dando conselhos. Se eu a tivesse recebido lá atrás, meu jovem ego certamente teria telefonado para ele." Hoje, Tilston continua sendo músico e compositor, mora em Hebden Bridge, Yorkshire, e recentemente publicou seu primeiro romance. Não chegou a ficar rico, mas se deu bem na vida.
Carta 155: para SteveTilston e Richard Howell, 1971
ZigZag - Tittenhurst Park Ascot, Berkshire

"Caros Steve Tilston & Richard Howell Ser rico não muda a sua vida no modo de pensar. A única diferença basicamente é que você não precisa se preocupar com dinheiro - comida - teto - etc, mas todas as outras experiências - emoções - relacionamentos - são os mesmos que os de qualquer um. Eu sei, já fui rico e pobre, assim como Yoko (rica - pobre - rica) então o que você acha disso?
Com amor, John & Yoko
COMPRE GOD SAVE US e salve OZ"


"Danny Collins" - no Brasil "Não Olhe Para Trás" está chegando aos cinemas. Aqui a gente confere o trailer:

A SESSÃO FOTOGRÁFICA DE SGT. PEPPER'S - ARTE PURA!

Um comentário:


No dia 30 de março de 1967, os Beatles posaram para a sessão fotográfica para a capa do álbum “Sgt. Pepper´s Lonely Hearts Club Band” no Chelsea Manor Studios em Londres. O fotógrafo foi Michael Cooper e a criação de Peter Blake.

Sgt. Pepper’s não só se destacou somente por sua música, mas pelo conceito e pela capa feita com uma fotografia de Michael Cooper com os quatro Beatles vestidos em belíssimas fardas coloridas diante de uma colagem feita por Peter Blake com vários rostos de pessoas célebres, entre os quais Marilyn Monroe, Marlon Brando, Bob Dylan, Cassius Clay, D.H. Lawrence, Shirley Temple, etc. Também apareceriam Karl Marx, Gandhi, Hitler e Jesus Cristo, mas estes foram deixados de fora. Para evitar processos a gravadora pediu autorização às personalidades. Brian e seus acessores tiveram um tabalho danado para pegar todas as assinaturas dos que ainda estavam vivos ou alguém, responsável por eles. O ator Leo Gorcey teve sua imagem retirada por pedir um pagamento pelo seu uso. O rosto do ator mexicano Germán Valdés "Tin Tan" aparececia na capa, mas ele não autorizou sua exibição na última hora, enviando em seu lugar uma árvore da vida de Metepec (planta tradicional mexicana) que aparecereu no canto da fotografia.
70 personalidades aparecem na capa do Sgt. Pepper’s. Contando com 8 Beatles. Quatro de cêra, quatro de verdade. São eles: Aldous Huxley, Albert Einstein, Albert Stubbins, Alberto Vargas, Aleister Crowley, Aubrey Beardsley, Bob Dylan, Bobby Breen, Carl Gustav Jung, Diana Dors, Dion DiMucci, Dr. David Livingstone, Dylan Thomas, Edgar Allan Poe, Fred Astaire, George Bernard Shaw, George Harrison, Huntz Hall, H. G. Wells, H. C. Westermann, Issy Bonn, John Lennon, Johnny Weissmüller, Karl Marx, Karlheinz Stockhausen, Larry Bell, Lenny Bruce, Lewis Carroll, Mae West, Marilyn Monroe, Marlene Dietrich, Marlon Brando, Max Miller, Oliver Hardy, Oscar Wilde, Paul McCartney, Richard Lindner, Richard Merkin, Ringo Starr, Robert Peel, Shirley Temple, Simon Rodia, Sonny Liston, Sri Lahiri Mahasaya, Sri Mahavatar Babaji, Sri Paramahansa Yogananda, Sri Yukteswar Giri, Stan Laurel, Stephen Crane, Stuart Sutcliffe, Terry Southern, The Petty Girl of George Petty, Lawrence of Arabia, Tom Mix, Tommy Handley, Tony Curtis, Tyrone Power, Wallace Berman, William S. Burroughs, W. C. Fields.
Quem escolheu as figuras da capa? Os próprios Beatles! Algumas das escolhas de John para serem homenageados foram apenas para ser atrevido. Entre eles Mahatma Gandhi, Adolf Hitler, Jesus Cristo e o Marquês de Sade. Os dois últimos jamais chegando à arte final. Brigitte Bardot, Lord Buckley, James Joyce e Friedrich Nietzsche também acabariam de fora. Suas opções entre os homenageados presentes são Lenny Bruce, Aleister Crowley, Dylan Thomas, Oscar Wilde, Edgar Allan Poe e Lewis Carroll. A lista de George só incluiu gurus indianos. São eles Sri Mahavatara Babaji (entre William Burroughs e Stan Laurel), Sri Yukteswar Giri (ao lado de Aleister Crowley), Sri Lahiri Mahasaya (entre Albert Stubbins e Lewis Carroll), e Paramahansa Yogananda (ao lado de H.G. Wells).Com seus pensamentos mais voltado para casa, Ringo não se interessou em escolher ninguém para o mural, porém apoiou as escolhas feitas pelos demais. Embora nem todos da lista de Paul acabassem aparecendo, suas sugestões foram: Brigitte Bardot, William Burroughs, Robert Peel, Karlheinz Stockhausen, Aldous Huxley, H.G. Wells, Albert Einstein, Carl Jung, Aubrey Beardsley, Alfred Jarry, Tom Mix, Johnny Weissmuller, Rene Magritte, Tyrone Power, Karl Marx, Richmal Crompton, Dick Barton, Tommy Handley, Albert Stubbins e Fred Astaire.O casal de artistas Peter Blake e Jane Haworth contribuiu com as presenças de W.C. Fields, Tony Curtis, Dion DiMucci, Bobby Breen, Shirley Temple, Sonny Liston, Johnny Weissmuller, e H.C. Westerman. Terry Southern, Wally Berman e Richard Lindner foram sugeridos por Robert Frazer.

Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band foi o oitavo álbum de estúdio dos Beatles. Lançado em 1º de junho de 1967, tornou-se um imediato sucesso comercial e de crítica, passando 22 semanas no topo da parada de álbuns no Reino Unido e 15 semanas nos Estados Unidos. Para muitos, o melhor álbum de rock de todos os tempos. A capa recebeu todos os prêmios possíveis a este item. O diretor artístico foi Robert Fraser e o fotógrafo, Michael Cooper. Os Beatles aparecem em coloridos trajes militares com um grupo de recortes de papelão de pessoas famosas em tamanho natural. O quarteto fica no centro, em pé, atrás de um bumbo, no qual o artista Joe Ephgrave pintou as palavras do título do álbum - o que de melhor havia de art pop. Na frente, há um arranjo de flores com o nome dos Beatles. Os uniformes de cetim de estilo militar foram fabricados por M. Berman Ltd, de Londres. As letras do álbum estão integralmente na contracapa.

Clique no bumbo, e confira, de um por um, "quem é quem" na capa do Sgt. Peppers! Abração!
http://virgula.uol.com.br/album/musica/quem-e-quem-na-capa-de-sgt-peppers-lonely-hearts-club-band/#img=30&galleryId=quem-e-quem-na-capa-de-sgt-peppers-lonely-hearts-club-band

domingo, 29 de março de 2015

GEORGE HARRISON - BEWARE OF DARKNESS

5 comentários:
"Beware of Darkness" é considerada por muitos, a melhor faixa de “All “Things Must Pass”, o aclamadíssimo álbum triplo de George Harrison lançado em 1970. "Beware of Darkness" marca um retorno às preocupações espirituais e músicas de Harrison desde os Beatles. Assim como "Within You, Without You”, a letra reflete a filosofia do Radha Krishna Temple, com a qual Harrison estava envolvido, em que as preocupações espirituais sempre devem substituir as coisas materiais. Nos versos, o ouvinte é advertido contra várias influências que podem lhe corromper. Entre as potenciais influências corruptoras estão o próprio homem (ego), políticos e ídolos pop de pouca substância. Além disso, a letra adverte também contra os pensamentos negativos, uma vez que estas influências corruptoras e pensamentos negativos podem levar à maya, ou ilusão, o que distrai as pessoas do verdadeiro propósito da vida.

Muitas versões de "Beware of Darkness" já foram gravadas por muita gente. No Concerto for Bangladesh no Madison Square Garden em 1 de agosto de 1971, Harrison cantou as duas primeiras partes, e, em seguida, Leon Russell canta a terceira - Harrison reassume a parte final. Uma versão acústica que foi gravada em 27 de maio de 1970, foi incluída no bootleg “George Harrison Beware Of ABKCO”. Leon Russell gravou a sua em seu álbum de 1971 “Leon Russell and the Shelter People”. Marianne Faithfull incluiu "Beware of Darkness" em seu álbum “Rich Kid Blues”. Em 1986, uma banda alternativa americana “Concrete Blonde” fez uma cover em seu primeiro álbum. “Spock's Beard” usaram "Beware of Darkness", como a faixa-título de seu álbum de 1996, baseando a sua versão sobre Leon Russell. Matthew Sweet e Susanna Hoffs tocaram em seu álbum de 2009 “Under The Covers”. Eric Clapton tocou "Beware of Darkness" no Concert For George em 2002. Joe Cocker também apresentou sua versão seu “Hymn for my soul”, álbum de 2007, assim como muitos outros. Algumas dessas versões até poderiam aparecer aqui, mas nada se compara com o original. E melhor ainda: com legendas em português! Hare, Hare!

THE BEATLES AO VIVO NO SHEA STADIUM - HELP! - SENSACIONAL!

2 comentários:

PAUL McCARTNEY E SEU MEGASUCESSO EBONY AND IVORY

4 comentários:

No dia 29 de março 1982, foi lançado o single "Ebony and Ivory" canção de Paul McCartney realizada com Stevie Wonder que foi direto para nº 1. Resumidamente, a música é sobre o ébano (preto) e o marfim (branco) teclas de piano, mas também tem a ver com a integração e harmonia racial de maneira mais profunda. O título foi inspirado por McCartney ouvindo Spike Milligan dizer "notas pretas, notas brancas, e você precisa tocar as duas para conseguir harmonia". "Ebony and Ivory" está no álbum de McCartney Tug of War e invadiu as paradas de sucesso de todo o mundo em 1982. Embora escrita por McCartney sozinho, a canção foi realizada ao vivo no estúdio por junto com Stevie Wonder, porém devido aos conflitos de horário de trabalho, ambos gravaram suas partes no vídeo musical separadamente (como é explicado por Paul em McCartney Years. Depois de ter completado a letra, Paul chamou Stevie Wonder para gravarem juntos em Motserrat. As sessões que produziram a faixa foram as mais longas de Tug Of War, acontecendo em diversas etapas entre fevereiro e dezembro de 1981. "Ebony and Ivory" ficou durante sete semanas na primeira posição do Billboard Hot 100, e foi o quarto maior hit de 1982. Para McCartney, a canção atingiu o topo dos gráficos de qualquer obra sua pós-Beatles, para Wonder, um sucesso comercial sem precedentes. "Ebony and Ivory" passou ainda cinco semanas acima do "Adult contemporary chart". Passados 28 anos da música ter sido lançada, Paul McCartney e Stevie Wonder finalmente a interpretam juntos num espectáculo na Casa Branca em frente a uma plateia, na qual estão presentes diversas personalidades como o presidente Obama, fã incondicional de McCartney! 

MAFALDA - A MENINA QUE ADORAVA OS BEATLES

3 comentários:
Essa postagem já apareceu aqui em março de 2013, acho. E foi muito legal de fazer. Quem não viu, confere agora, que já viu, confere de novo!

Embora as tirinhas de Mafalda tenham sido produzidas entre as décadas de 60 e 70, a obra de Quino continua atual e instigante. Difícil não se surpreender com a lucidez da personagem em relação às questões do mundo.

Para relembrar: Mafalda tem seis anos, é fã dos Beatles e odeia sopa. Vive refletindo sobre a sociedade de consumo, o papel da televisão, a alienação, a política que favorece minorias e por aí vai. Ela ainda observa como os adultos não cumprem aquilo que ordenam às crianças.

Além dos pais de Mafalda, um corretor de seguros e uma dona de casa, fazem parte desse universo: Susanita que, quando crescer, quer casar com um marido, o garoto Manolito que, por influência do pai comerciante, só pensa em como ganhar mais dinheiro e Miguelito, o menino de bom coração que se esforça para entender o que Mafalda diz, mas acaba sempre compreendendo o que é dito de modo literal.

Aos 50 anos, suas tirinhas parecem terem sido escritas ontem. “Sem ir muito longe, ano passado saiu na Itália um livro sobre Mafalda. O mais incrível é como muitas histórias pareciam fazer referência direta à campanha de Berlusconi”, comenta o cartunista argentino Joaquín Salvador Lavado, o Quino, que a deu vida de 1964 a 1973.

Uma garota idealista e sincera, louca pelos Beatles, Mafalda nunca se calou diante da inquietude que lhe causava um mundo adulto que não lhe oferecia respostas satisfatórias, algo que persiste até o século 21. Para Quino, “nossa obrigação é acreditar que o futuro vai ser melhor, mas no fundo sabemos que tudo continuará sendo como até agora”. Que, como Mafalda, possamos ser críticos diante da realidade que nos é apresentada. Sinceros, talvez, irônicos, mas sempre dispostos à mudança que existe, às vezes, somente nos corações de crianças de 6 anos.

DEZO HOFFMANN - MINHA VIDA FOTOGRAFANDO OS BEATLES

Um comentário:

De todos os grandes fotógrafos que tiveram a sorte de estar quase o tempo inteiro junto dos Beatles, e ainda ganhando uma grana por isso, Dezo Hoffmann foi o maior de todos. Um dos mais inovadores e criativos fotógrafos de sua época. Nasceu na Checoslováquia em 1912. A fama internacional veio na década de 1960, quando registrou os maiores astros pop conhecidos e personalidades do showbiz, como The Beatles, The Rolling Stones, Dusty Springfield, Charlie Chaplin, Sophia Loren, Marlon Brando, Marilyn Monroe, Laurence Olivier, The Kinks, The Shadows , Tom Jones, Jimi Hendrix, Frank Sinatra, Bob Marley, Duke Ellington, Louis Armstrong, Elton John, Omar Sharif e Pink Floyd. 
Dezo Hoffmann soube explorar como nenhum outro, todas as qualidades e potencialidades cômicas dos rapazes, servindo como base de referência da persona dos Beatles, mesmo antes do filme "A Hard Day's Night".

Hoffmann nasceu em 24 de maio de 1912 em Banská Štiavnica, Reino da Hungria, Checoslováquia. Depois de estudar jornalismo em Praga, trabalhou na Twentieth Century Fox em Paris como fotojornalista. Durante a invasão da Abissínia, foi enviado por Mussolini para fazer um documentário sobre a invasão. Depois de voltar da África, foi enviado à Espanha para filmar a popular olimpíada de 1936 (um protesto contra os jogos oficiais das olimpíadas de Berlim, sob a propaganda de Hitler). Logo após sua chegada na Espanha, a guerra civil eclodiu e Dezo encontrou-se em barricadas. Neste período ele conheceu personalidades como Hemingway e Robert Capa. Supostamente os três homens formaram um trio inseparável. Enfrentando perigos de guerra 
Hoffmann foi ferido algumas vezes. A terceira lesão foi grave, deixando-o sem memória por vários meses. Após a recuperação, mudou-se para a Inglaterra e se juntou ao esquadrão de pilotos da Checoslováquia com a RAF durante a Segunda Guerra Mundial. Depois da guerra, permaneceu em Londres, trabalhando para diversos jornais e revistas. Em 1955 iniciou sua colaboração com a revista Record Mirror. Era o início de sua carreira fotografando celebridades do show business. Em 1962 foi para o Liverpool fotografar um grupo desconhecido, mas promissor - The Beatles. A simpatia mútua entre o fotógrafo e seus modelos levou a um relacionamento duradouro com o grupo. Dezo também fez um filme colorido 8 milímetros durante esta fase dos Beatles. Provavelmente, deve ser o primeiro filme com tomadas coloridas deles.

Paul McCartney declarou que para ele, Hoffmann era o melhor fotógrafo do mundo. Durante os anos seguintes Hoffmann fez centenas de fotos famosas dos Beatles e isso atraiu a atenção de muitas outras estrelas. Ele era considerado como um "bom camarada", e sua figura era apreciada e acolhida por onde passava, apesar do forte sotaque estrangeiro. Uma das coisas que mais impressionam em seu trabalho é a forma como as estrelas fotografadas se descontraem diante de sua câmera.

Em 1982, a editora Omnibus Press publicou "With The Beatles - As fotografias históricas de Dezo Hoffmann", mostrando algumas das fotos raras capturadas por Dezo durante o horário nobre da Beatlemania. Este livro foi esgotado rapidamente. Durante a primeira excursão dos Beatles aos Estados Unidos, Dezo Hoffmann foi o fotógrafo oficial.

Toda a coleção de fotografias dos Beatles feitas por Hoffmann foi adquirida pela Apple Corps Ltd. A maioria das fotos utilizadas no 'The Beatles Live at the BBC "CD / LP, incluindo a foto da capa da frente, foram tiradas por Dezo. O restante do arquivo do fotógrafo com aproximadamente 1 milhão de fotografias de músicos pop e incontáveis personalidades do showbiz foi adquirida pela Rex Features.

Dezo Hoffmann morreu em 29 de março de 1986 aos 73 anos, de câncer, num hospital em Harley, Londres. Ele foi cremado no Crematório de Golders Green, onde suas cinzas foram espalhadas no gramado Bluebell.
Não deixem de conferir também outras postagens com fotógrafos sortudos que alcançaram a graça e clicaram os Beatles:

RICHARD AVEDON
ASTRID KIRCHERR
ANGUS McBEAN
IAN McMILLAN - ABBEY ROAD
ROBERT FREEMAN
ROBERT WHITAKER
ETHAN RUSSEL

IMAGENS DO DIA - THE BEATLES ON THE BEACH - By DEZO HOFFMANN - ABSOLUTAMENTE SENSACIONAL!!!

3 comentários:

No dia 22 de julho de 1963, Dezo Hoffmann passou o dia com os Beatles na praia de Bream Down, onde os fotografou vestindo trajes vitorianos e passeando em burricos, além de fazer um filme amador dos rapazes brincando na praia. Hoffmann falou sobre a experiência: "Tive a idéia de alugar cabines de praia, roupas de banho antigas, etc. Eles adoraram usar aqueles trajes bobos. John continuou vestido com o seu maiô no hotel, muito após o término da sessão".