sábado, 3 de dezembro de 2016

GEORGE HARRISON - CLOUD NINE - Por JOÃO CARLOS MENDONÇA

A coluna "SÁBADO SOM" de hoje, 3/12/2016, do nosso amigo João Carlos está absolutamente imperdível, como sempre. Só que hoje é ainda mais especial porque analisa o sensacional "Cloud Nine", do nosso querido George Harrison. Boa leitura!
Último trabalho solo gravado e lançado em vida pelo artista em 1987, CLOUD NINE surpreendeu positivamente a crítica e, de certa forma, os fãs, pela qualidade da produção (dividida com Jeff Lynne da Eletric Light Orchestra) e pelo repertório elegante, sedutor e, acima de tudo, moderno. Para muitos, o melhor álbum de Harrison desde o antológico “All Things Must Pass”.Naqueles dias, de fato, um período de cinco anos significava imensas mudanças de tendências, tecnologias e preferências. Contudo, enquanto hibernava, George atualizava seu estúdio doméstico e, aqui e acolá, esboçava canções. Quando finalmente decidiu lançá-las, foi por intermédio do Tom Petty que chegou ao brilhante Lynne e juntos refinaram o material e a sonoridade do álbum. Na maior discrição, além dos acompanhantes competentes de sempre (Jim Keltner, Jim Horn, Gary Wright e Ray Cooper), um time bastante respeitável participou efetivamente do projeto: Eric Clapton, Ringo Starr e Elton John mandaram ver, sob a condução de um George Harrison realmente “nas nuvens”, como sugere o título do discão.Com belas baladas, elegantes rocks mid-tempo e rockões eletrizantes, “Cloud Nine” exibe um músico revigorado, inspirado e acima de tudo reconciliado com a vida. Se percebemos evidente bastante profissionalismo no produto final, há tanta serenidade quanto bom humor no geral. O primeiro tema trabalhado foi um cover obscuro de Rudy Clark, revisitado com vigor desde a poderosa bateria da introdução, o sax dobrado de Jim Horn até a interpretação convicta de George; “GOT MY MIND SET ON YOU” deu ao músico seu primeiro hit nº 1 depois de anos. Outros dois excelentes sucessos do CD, escritos com Lynne, foram a bela canção pop “THIS IS LOVE” e “WHEN WE WAS FAB”. A primeira parece mesmo vinda da receita da ELO com pitadas de conhecimento de causa de Harrison. A segunda já se entrega pelo título; com óbvias referências aos Beatles, fase psicodélica, a canção reconcilia o artista com seu antigo grupo, no que o vídeo feito para a música em muito colabora (tem poses indianas e até um “walrus” canhoto). Escrita para o filme Shangai Surprise, “SOMEPLACE ELSE” é uma das mais lindas baladas compostas por George que, aliás, modificou o arranjo que ficou diferente da versão para o longa metragem. Outra canção reaproveitada do mesmo filme foi “BREATH AWAY FROM HEAVEN”, uma melodia lenta com referências à música japonesa (ou chinesa). Bem interessante. Se a toada solene “JUST FOR TODAY” não é a 7ª maravilha, é suficientemente bonita para não deixar a qualidade cair... ou a peteca. Pra variar tem lindas guitarras.Sem perder a elegância, George ataca com mais dois rockões recheados de ironia e humor cáustico. “DEVIL’S RADIO” brinca com a fofocalha da mídia de forma geral, abrindo com guitarras paletadas e um coro repetindo “gossip, gossip”. É mesmo incendiário! Por sua vez “WRECK OF THE HESPERUS”, quase passeia pelo mesmo tema, mas o artista fala de si mesmo (“não sou o naufrágio do Hesperus/me sinto a Muralha da China/velho como Matusalém/alto como a Torre Eiffel). Tão sensacional quanto a virada da bateria no meio... bem Ringo Starr.O balanço malemolente da faixa-título “CLOUD 9 ”com seus belos solos de guitarras (George e Clapton trocando amabilidades) é contagiante e entrega já na abertura o estado de espírito do álbum e do músico. Logo em seguida, “THAT’S WHAT IT TAKES” (Harrison, Lynne e Wright) é uma balada pop cuja letra é mais reflexiva que romântica. Não se engane! Quase o mesmo acontece com o rock mid-tempo “FISH ON THE SAND”, que, como não poderia faltar, é quase uma oração, uma conversa com Deus. Se “CLOUD NINE” já era um discaço quando de seu lançamento, imagine agora, remasterizado e com faixas bônus? O grande Hare em plena forma! O resto é anos 80.

3 comentários:

Edu disse...

Enxuto mas certeiro. Obrigadão JC. Aquele abracão!

João Carlos disse...

Eu que agradeço a honra.

Valdir Junior disse...

Na titela. Parabéns João Carlos.