terça-feira, 31 de janeiro de 2017

THE BEATLES - GOOD DAY SUNSHINE


“Good Day Sunshine” foi escrita por Paul na casa de John em um dia especialmente ensolarado. Paul admitiu em 1984 ter sido influenciado por The Lovin’ Spoonful, banda de folk rock de Nova York que teve dois sucessos nos EUA, “DoYou Believe In Magic?” e “You Didn’t HaveTo Be So Nice”. O grupo se destacava pelas composições líricas e folk de seu fundador, John Sebastian, que mais tarde, como artista solo, fez uma performance memorável no filme Woodstock. A canção específica que inspirou Paul naquele dia foi “Daydream”, primeiro sucesso de The Lovin’ Spoonful na Inglaterra. Assim como “Good Day Sunshine”, “Daydream” começa com uma guitarra sinco­pada e conta uma história alegre de amor, em um dia de tempo boni­to: “I’m blowin’ the day to take a walk in the sun, and fall on my face on somebodys new-mown lawn” – “Encerrei meu dia para caminhar ao sol, e cair de cara no gramado recém-cortado de alguém”. “Uma das coisas maravilhosas dos Beatles é que eram tão originais que quando pegavam uma ideia de alguém você nunca percebia. Achei que uma ou duas músicas deles tinham um quê de Spoonful, mas foi só quando Paul comentou em uma entrevista para a Playboy que me dei conta especificamente de que tínhamos inspirado ‘Good Day Sunshine’”, conta Sebastian.
A própria “Daydream” tinha sido inspirada pela batida da Motown em canções como “Where Did Our Love Go?” e “Baby Love”, que o Lovin’ Spoonful ouviu quando fazia uma turnê pelos eua com as Supremes. “Eu disse: precisamos de uma música como ‘Baby Love’. Escrevi a canção quando tentava me aproximar da sensação de ‘Baby Love’ com uma guitarra. Às vezes você tenta imitar alguma coisa, e o que surge é algo bastante seu”, Sebastian relembra.
The Lovin’ Spoonful devia sua formação a um encontro entre Sebastian e outro guitarrista, Zal Yanovsky, que aconteceu na casa de (Mama) Cass Elliot, onde os dois foram convidados separadamente para ver a estreia dos Beatles no Ed Sullivan Show em fevereiro de 1964. Sebastian comenta: “Ver os Beatles aquela noite cristalizou para nós a ideia de querer fazer parte de uma unidade autossuficiente que escrevesse sua própria música. Acabei conhecendo a banda em abril de 1966. John, Paul e George vieram nos ver, e foi naquela noite que George teve seu primeiro encontro de verdade com Eric Clapton. Infelizmente, nunca tocamos juntos porque todo mundo estava muito ocupado naquela época” . “Quando eles tocaram no Shea Stadium, em Nova York, em agosto de 1966, fui para os bastidores e dei umas risadas com John, que estava começando a ficar muito parecido comigo. Os outros Beatles zombavam muito dele por estar me copiando. Eu sempre desejei poder ter passado mais tempo com eles.”
Criada por Paul, com harmonização vocal de John e George no refrão, "Good Day Sunshine" recebeu influências da década de 1930, como o piano, ao estilo honky-tonk de New Orleans. Essa gravação interessante e criativa possui duas pistas distintas de bateria, uma em cada canal. Foi no álbum "Revolver" que os Beatles passaram a fazer mais experiências espaciais com o estéreo. Durante o fade out, o refrão-título é alternado entre os canais esquerdo e direito. “Good Day Sunshine” foi gravada durante dois dias em junho de 1966, sob o título de trabalho “A Good Day's Sunshine”. Em 8 de junho, os Beatles ensaiaram a faixa muitas vezes antes de gravar a trilha rítmica - baixo, piano e bateria - três vezes. A primeira dessas tomadas foi a melhor, e sobre ela Paul adcionou seu vocal principal, juntamente com as harmonias de John e George. No dia seguinte Ringo adicionou mais bateria, George Martin tocou seu piano solo e mais harmonias foram adicionadas ao final, com todos os quatro Beatles batendo palmas. Participaram: Paul McCartney -  vocais, baixo, piano e palmas; John Lennon - backing vocals e palmas; George Harrison - backing vocals e palmas; Ringo Starr - bateria e palmas; George Martin - piano.

2 comentários:

João Carlos disse...

O boogie dos pianos é matador. Sempre achei que ela deveria vir logo depois de Taxman.

Valdir Junior disse...

Mais uma bela canção dentro do discografia da banda. Particularmente gosto muito da versão do Paul no "Give My Regards to Broad Street".