quarta-feira, 29 de março de 2017

MEU AMIGO JOÃO CARLOS W. DE MENDONÇA - HOMEM DO BEM

“Amigo não se pede, não se compra nem se vende. Amigo a gente sente.” É muito difícil imaginar o inimaginável. Costumam dizer que ninguém é insubstituível. Mentira! Em minha vida, conheci vários. Caros amigos todos: O Baú do Edu está de luto pela súbita passagem do nosso amigo João Carlos de Mendonça, o JC. Estou chocado, paralisado, devastado, angustiado, chateado, decepcionado, profundamente triste e sem querer acreditar que isso possa ter acontecido. Perdi um grande amigo, o Mestre dos Mestres, e o Baú do Edu perdeu seu maior colaborador, que juntamente com o amigo Valdir Junior, estava conosco desde o início do blog. Praticamente, existem comentários dos dois em quase todas as postagens de 2009 pra cá, o que muito me honra. Nesses quase nove anos do Baú do Edu, aprendi muito com o João Carlos e suas inúmeras colaborações nos brindando com seus belíssimos textos esbanjando elegância e sutilezas e com seus comentários diários sempre mortais, suscintos e pertinentes. Um dos últimos comentários que ele fez aqui foi “Obrigado, Edu. Publicar meus garranchos neste espaço sempre me honra” na sua crônica “COVERS DOS BEATLES” publicada aqui há uma semana, no dia do seu aniversário. Agora, mais do que nunca, quando abro a caixa de comentários e não tem nenhum, é muito mais triste. Quanto a sua família, não sei o que dizer para confortá-los... apenas que Deus deve saber o que faz e que tenha piedade de nós. Suba em paz meu amigo, o céu está em festa! Aqui, você vai fazer muita, muitíssima falta. Valeu, JC! Obrigadão por tudo!
Nesses últimos anos, o João Carlos publicou dois livros: o impecável “SÁBADO SOM - O BLOG QUE SE FEZ LIVRO” em 2014 e o excelente “ODEIO MÚSICA - LEMBRANÇAS MUSICAIS DE UMA ÉPOCA” em 2016. Ele me pediu que escrevesse algumas linhas sobre esse último, no que eu prontamente atendi. Eu disse o seguinte aqui mesmo no Baú: “Há lugares e pessoas em minha vida de que sempre lembrarei. Alguns estão mortos e alguns ainda vivem. Em minha vida, eu amei todos eles”. Os versos da canção de John Lennon poderiam muito bem definir a obra “Odeio Música – Lembranças musicais de uma época” de João Carlos de Mendonça. O livro narra, de forma muito, muito bem humorada, as peripécias de um rapaz que, ainda muito jovem, embarcou no mundo da música atuando em conjuntos de baile (bandas de rock que animavam bailes) entre 1965 e 1975, desde sua primeira adolescência, sua paixão pela música, pelas garotas, suas inquietações, dúvidas e as aventuras e desventuras com as bandas pelas quais passou. Conhecendo o estilo de João Carlos pela sua coluna “Sábado Som”, não foi surpresa nenhuma para mim, tão deliciosa e divertida leitura, rápida e dinâmica como o próprio rock and roll que permeia todo o livro. Guardadas as devidas proporções, não pude deixar de me identificar com o protagonista. Tudo o que é narrado ali, poderia muito bem ter sido com qualquer um de nós. Caro amigo João Carlos: meus parabéns e muito obrigado por me proporcionar tantas lembranças e conseguir arrancar dessa minha carranca, o mais largo sorriso. Fico de cá, feliz e observando o sucesso do livro, que cresce a cada dia. Aquele abraço do seu amigo Edu. Como tenho absoluta certeza que ele não se importaria, publico aqui um pequeno trecho do Odeio Música onde ele fala dos Beatles e sua influência na sua formação:
Brasileiro que nunca jogou futebol é no mínimo, uma aberração. Ou portador de alguma falha genética indecifrável. Entretanto, minha disfunçào era bem mais rara: eu jogava (razoavelmente bem) nas ‘peladas" ao mesmo tempo em que assoviava variadas canções “pop" ou a que estivesse obsessivamente circundando meu cérebro. Claro que os colegas maloqueiros achavam aquilo um tanto esquizóide, mas nào o suficiente para me barrarem no time. Afinal, eu era disputado no “par ou ímpar” na formação das equipes. É preciso ressaltar que nunca, jamais pensei em fazer música sozinho. Nào me imaginava nem mesmo um “band-leader" ou o “front man” de um grupo, portanto, ser um solista seria algo fora do meu âmbito. Meu sonho era fazer parte de um conjunto, de menor ou maior porte. Até imaginava a minha banda com os amigos da hora, mesmo que estes mudassem de acordo com as circunstâncias. E tudo isso grudou definitivamente em minha cabecinha quando... De repente, do nada aparece minha irmã mais velha me chamando pra ver na televisão, o show de uns caras "com paletós sem gola e os cabelinhos da tal Rita Pavone". De fato parecia isso mesmo, mas aquele som. aquelas vozes, a pegada poderosa e principalmente o repertório absurdo, me levaram pra algum lugar fora da terra de onde jamais voltei. Óbvio que eu já tinha escutado SHE LOVES YOU, TWIST AND SHOUT, FROM ME TO YOU, ALL MY LOVING, PLEASE PLEASE ME e IWANT TO HOLD YOUR HAND entre outras tantas, várias vezes, todavia, pensava que cada uma daquelas "pancadas'* pertencia a diferentes cantores ou grupos. Mais pasmado fíquei ao constatar que eles eram os autores de 99% das canções. Ali não havia coreografias graciosamente ensaiadas, nem poses, nem caras e bocas. Eram quadrigêmeos cantando com vozes superpostas, tocando seus instrumentos lado a lado e com uma convicção e atitude inimagináveis. Eram eles, THE BEATLES! Desde aquele momento e até os dias atuais, aquele grupo seria, musicalmente, a mais duradoura e principal influência que tive. Eu acompanhei toda trajetória e a revolução criativa que eles protagonizaram desde então até o fim do sonho, curtindo e aprendendo diariamente. Sinceramente, não sei responder com exatidão se, ao acordar, cuidava logo da higiene pessoal ou ouvia antes algo dos Beatles. Só sei que minha percepção musical se expandiu, ganhou contornos elegantes e aventureiros que me levaram ao encontro dos ROLLING STONES, THE WHO, do TROPICALISMO, de WOODSTOCK, do blues, do funk sagaz e sedutor do STEVIE WONDER, das latinidades de SANTANA, do ROCK PROGRESSIVO e até redescobri as nordestinidades de LUIZ GONZAGA, a Bossa Nova e os sambas de CARTOLA e NOEL. Sem esquecer a chamada MÚSICA ERUDITA. Quatro caipiras de Liverpool. Os 4 Cavaleiros do Após-Calipso! (And when I touch you/Ifeel happy/inside...)
E aqui, a gente tem a oprtunidade de conferir novamente algumas das principais postagens com a participação do JC:
Segunda-feira, 20 de março de 2017
Quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017
Quarta-feira, 18 de janeiro de 2017
Quarta-feira, 21 de dezembro de 2016 
Sábado, 3 de dezembro de 2016 
Sexta-feira, 16 de setembro de 2016 
Sábado, 9 de abril de 2016 
Sábado, 20 de fevereiro de 2016 
Domingo, 31 de janeiro de 2016 
Quinta-feira, 14 de janeiro de 2016 
Segunda-feira, 28 de dezembro de 2015 
sábado, 28 de novembro de 2015 
Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 
Segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015 
Sábado, 10 de janeiro de 2015 
Segunda-feira, 5 de janeiro de 2015 
Sábado, 9 de agosto de 2014 
Segunda-feira, 28 de abril de 2014 
Sábado, 22 de fevereiro de 2014 
Quinta-feira, 14 de novembro de 2013 
Sábado, 24 de agosto de 2013 
Segunda-feira, 22 de abril de 2013 
Quarta-feira, 20 de março de 2013 
Quarta-feira, 16 de janeiro de 2013 
Domingo, 22 de abril de 2012 
Sábado, 21 de abril de 2012 
Terça-feira, 20 de março de 2012 
Terça-feira, 11 de janeiro de 2011 

4 comentários:

Edu disse...

Caro amigo JC: Tenho pena de não ter lhe conhecido pessoalmente. Talvez, nem precisasse. Sua amizade e sua participação foram fundamentais para a sobrevivência do blog. De agora em diante, não sei como vai ser. Já estou sentindo, muito mesmo sua falta!!!

Eduardo Sales disse...

Caro Edu !

Andei sumido, eu sei ! Todos temos nossos problemas, não é ?
Passei aqui para deixar uma pequena mensagem, a respeito da dor que você está sentindo e que eu posso imaginar como ela machuca. Perdi um grande amigo no ano passado e sofri muito, pois não sabia o que era perder um amigo. Há dias, estou convivendo com a doença de um outro amigo, que está no hospital, com uma doença grave. É muito difícil conviver com essas situações ! Já li muito os comentários do João Carlos Mendonça e para ser bem sincero, sentia uma grande admiração por ele e ao mesmo tempo, uma invejazinha do seu talento para escrever, e um pequeno ciúme por ele estar no blog, quase todos os dias.
Então, vou assumir um compromisso: vou voltar a comentar em seu blog (ou nosso blog ?), sempre que puder e quando você aprovar o comentário, e faço questão em conhecê-lo pessoalmente, assim que for possível ! Meus sentimentos pelo falecimento do JC...
Abraço amigo, do xará Edu Sales

Anônimo disse...

A família Beatles do Baú do Edu está enlutada. Apesar de n ser um aciduo comentador aqui do Baú, sou um aciduo leitor. É confesso que a partida do HD tbm me tocou profundamente.
As vezes eu fico a imaginar que Deus reservou la no Céu um cantinho só pros Beatlemaniacos. É quando chegar minha vez eu quero encontrar lá com tds que já se foram.

Benilson Silva

Valdir Junior disse...

Bela homenagem Edu. Ainda estou muito triste e passado com a partida do João Carlos. Vai fazer muita falta mesmo.