quarta-feira, 17 de agosto de 2022

O DIA QUE JERRY LEE LEWIS QUIS MATAR JOHN LENNON

Nenhum comentário:

Publicada originalmente em  27 de junho de 2013 - agora revista e atualizada.
Ao longo da vida, John Lennon foi o protagonista de várias histórias curiosas, algumas trágicas, outras emocionantes, sensacionais ou apenas engraçadas. Essa aconteceu em 1973, no famoso Roxy, de Los Angeles. Jerry Lee Lewis havia acabado de gravar o álbum The Complete London Sessions, com o guitarrista irlandês Rory Gallagher em sua banda. O disco fez grande sucesso e 'The Killer' desfrutava de grande prestígio novamente como remanescente da primeira geração do Rock And Roll.
A noite no Roxy com o pianista mais rocker da história foi concorrida. Ingressos vendidos com antecedência e um grande número de celebridades na plateia, incluindo músicos e artistas hollywoodianos. Tudo ia bem até John Lennon chegar ao lugar. A presença do ex-Beatle começou a chamar mais atenção do público do que o próprio dono da festa, o que começou a irritar o enciumado Lewis. De cabelo curto e em sua fase mais louca, Lennon parecia calmo e não ligava muito para o tumulto que se formava em torno dele. Então, o furioso pianista começou a tocar uma versão feroz de Jerry Lee Rag. Mas nem isso tirou a atenção que o público dava a John Lennon.

The Killer se enfureceu. Interrompeu o show e começou a entoar um raivoso discurso contra os Beatles, dizendo até, que a música dos quatro fabulosos era uma merda. Lennon não se fez de rogado. Subiu no parapeito do balcão (ou camarote) onde estava e corroborou as afirmações de Lewis, reafirmando que os Beatles eram uma bosta mesmo. O público se divertiu com a situação, mas o dono da noite não entendeu muito bem o que Lennon havia dito e imaginou que o ex-Beatle o estivesse xingando. Aí a coisa ficou feia. Lewis arrastou o piano pelo palco e o destruiu em pedaços... o pianista sempre andava armado e pela sua reação parecia que ele puxaria sua arma a qualquer instante e começaria a disparar contra Lennon. O público começou a se apavorar e o clima ficava cada vez mais tenso até o show ser interrompido e Jerry Lee ser levado à força para o camarim.
Rory Gallagher, que era convidado especial de Lewis, achou que seria bom ir até lá e acalmar o amigo, afinal de contas, o relacionamento entre os dois no estúdio tinha sido ótimo. Donal Gallagher, irmão e empresário de Rory, tentou impedi-lo dizendo que o killer iria, no mínimo, espancá-lo. Rory seguiu em frente com a condição que ele fosse com o segurança pessoal dos irmãos Gallagher, Tom O'Driscoll.
Jerry Lee estava no camarim, sentado, sozinho e de cabeça baixa. Obviamente até o mais durão membro da equipe do astro estava se escondendo de medo naquele instante. Rory se aproximou e sentou-se ao lado de Lewis que ainda estava com sangue nos olhos. Antes que qualquer palavra fosse dita, a porta se abriu e John Lennon entrou no camarim. Um silêncio mortal se instalou e sem que ninguém esperasse o gigantesco guarda-costas de Gallagher (O'Driscoll) se atirou de joelhos na frente de Lennon e começou a chorar. O sujeito beijou a mão de Lennon e falou: "Eu esperei mais de vinte anos para conseguir um autógrafo do rei do Rock n' Roll!". Agora sim, o juízo final estava por vir.
Já não bastava Lennon ter roubado as atenções durante todo o show, no camarim de Lewis a cena se repetia? Jerry Lee foi logo buscando algum objeto para atirar contra o roqueiro inglês. Chegou a conferir em sua bota de cano alto se sua arma estava por ali. Sentindo que o clima ia realmente esquentar, Lennon rapidamente assinou o pedaço de papel para o segurança. Rasgou um pedacinho do mesmo papel, roubou a caneta do fã e se dirigiu para Jerry Lee. O ex-Beatle repetiu passo a passo a idolatria que tinha acabado de protagonizar: ajoelhou-se, beijou a mão de Lewis e disse: "Eu esperei mais de vinte anos para conseguir um autógrafo do verdadeiro rei do Rock 'n Roll!". Lewis se deleitou com a atitude inesperada de Lennon. Assinou o papel e começaram a conversar animadamente como se nada tivesse acontecido.

segunda-feira, 15 de agosto de 2022

IMAGEM DO DIA - THE BEATLES by JOHN LAUNOIS - 1964

Nenhum comentário:


Os Beatles fotografados em Londres para a capa da revista Saturday Evening Post, em 3 junho de 1964 pelo fotógrafo John Launois (1928 - 2002), um apaixonado que contava histórias através da arte do fotojornalismo. A revista foi publicada no dia 15 de agosto de 1964. Há 58 anos.

PAUL McCARTNEY - OO YOU (Long Remaster Version)

Nenhum comentário:

domingo, 14 de agosto de 2022

JOHN LENNON - BEAUTIFUL BOY - FELIZ DIA DOS PAIS!

Nenhum comentário:

 
"Beautiful Boy (Darling Boy)" foi composta e gravada por John Lennon para o álbum Double Fantasy, lançado em 17 de novembro de 1980. Paul McCartney afirmou várias vezes que esta é uma de suas músicas favoritas compostas por Lennon. "Beautiful Boy" também foi lançada como lado B do single "Happy Xmas (War Is Over)" para promover a coletânea The John Lennon Collection em novembro de 1982.
"Beautiful Boy" foi composta para o filho de Lennon, Sean, então com cinco anos, seu único filho com Yoko Ono. A canção inicia com John confortando o menino que, presumivelmente teve um pesadelo e se desenvolve com John descrevendo apaixonadamente o amor que ele tem pelo seu "garoto lindo" e a alegria que que ele lhe dá. No final, John Lennon sussurra: "Good night, Sean. See you in the morning. Bright and early" (Boa noite, Sean. Vejo você pela manhã. Brilhante e cedo". A letra de "Beautiful Boy (Darling Boy)" contém a famosa citação de Allen Saunders em 1957 no Readers Digest: "A vida é o que acontece com você enquanto você está ocupado fazendo outros planos".

PAUL McCARTNEY - WANDERLUST - SENSACIONAL!

Nenhum comentário:


Em maio de 1997, Paul McCartney, sua mulher Linda e seus Wings, estavam nas Ilhas Virgens gravando o que seria o álbum London Town. Certo dia, Paul e Linda resolveram passear e alguem lhe alugou uma embarcação especial para se divertirem pelas águas tranquilas. Wanderlust era o nome do catamarã, comandado por um capitão truculento. Depois de alguns minutos mar adentro, o tal capitão sentiu o cheiro da maconha e enfezado disse que drogas não eram permitidas a bordo e eles teriam que deixar o barco e seriam presos. Então houve uma espécie de discussão e os McCartney escolheram outro barco. Tempos depois, Paul compôs "Wanderlust" sobre o episódio.
A bonita “Wanderlust” foi lançada em 26 de abril de 1982como a terceira faixa do lado 2 do excelente TUG OF WAR (LP) e mais tarde, como oitava do CD. Paul McCartney queria que “Wanderlust” tivesse um solo de guitarra de George Harrison. Ele, Linda, George Martin (produtor do álbum) e Denny Laine foram visitar George em sua casa, Friar Park, onde ele tinha seu estúdio pessoal (FPSHOT – Friar Park Studio, Henley-On-Thames). Antes de trabalhar em “Wanderlust”, George Harrison pediu a Paul para gravar alguns backing vocals para sua música “All Those Years Ago”. No final, o overdub de guitarra para “Wanderlust” nunca chegou a ser gravado. E em vez de um solo de guitarra, McCartney decidiu usar um conjunto de metais. "Eu gostei de fazer essa faixa, e o conjunto de metais foi ótimo; Eles eram fabulosos, o Philip Jones Brass Ensemble. Acho que, ouvindo o disco novamente recentemente, não usei o conjunto de metais o suficiente. Eles poderiam ter feito mais; eles poderiam ter sido mais frequentes na música, em vez de apenas no solo", disse Paul
“Wanderlust” foi regravada para o filme de McCartney de 1984, “Give My Regards To Broad Street” (ainda com Philip Jones Brass Ensemble). A versão completa com duração de 4:07 apareceu no CD da trilha sonora, enquanto uma versão abreviada de 2:48 foi lançada no LP.

Em 2014, "Wanderlust" foi gravada por Brian Wilson para o álbum The Art Of McCartney.

JOHN LENNON - SUNDAY BLOODY SUNDAY - 1972

Nenhum comentário:


"Bloody Sunday" (domingo sangrento) foi o nome pelo qual ficou conhecido um massacre ocorrido em Derry, ao norte da Irlanda, em 30 de janeiro de 1972, quando 26 pessoas que participavam de uma marcha pelos direitos civis foram atingidas por tiros disparados pelo Primeiro Batalhão de Paraquedistas Britânico. Os tiros foram iniciados quando parte dos manifestantes tentou vencer, atirando pedras, uma barricada montada pelos militares para conter a passeata. Treze pessoas, incluindo seis menores de idade, morreram na hora. Uma outra pessoa morreu (possivelmente devido aos ferimentos) seis semanas depois. Duas pessoas foram atropeladas por veículos militares. Segundo testemunhas e jornalistas presentes, nenhum dos atingidos estava armado. Cinco deles foram atingidos pelas costas. Investigações levadas a cabo logo após o evento inocentaram os envolvidos. Uma segunda investigação iniciada em 1998 nunca foi concluída.

"Sunday Bloody Sunday" é uma música forte composta por John Lennon e Yoko Ono, lançada pela primeira vez em seu álbum Some Time in New York City, lançado em 12 de junho de 1972. A música, que abre o lado 2 do álbum, aborda o massacre que ficou conhecido como "Domingo Sangrento" de 30 de janeiro daquele ano e é uma das duas do álbum que aborda o conflito contemporâneo da Irlanda do Norte, a outra é "The Luck of the Irish".

Lennon tinha simpatia pela minoria irlandesa católica romana na Irlanda do Norte e se juntou a um protesto em Londres em 11 de agosto de 1971 que tentou pressionar o governo britânico a remover suas tropas da Irlanda do Norte, pouco antes de Lennon se mudar para Nova York. Quando houve o massacre, em 30 de janeiro, Lennon, que estava morando em Nova York na época, ficou furioso e escreveu "Sunday Bloody Sunday" como uma resposta irada. A letra expressa toda a raiva de Lennon, que doou todos os royalties para o movimento dos direitos civis na Irlanda do Norte. "Seus porcos ingleses e escoceses, enviados para colonizarem o Norte. Vocês sacodem sua sangrenta Union Jack, sabem o que isso significa! Como ousam fazer refém um povo livre e altaneiro? Deixem a Irlanda para o irlandeses! Mandem os ingleses de volta pro mar!". 

GEORGE HARRISON - BLOOD FROM A CLONE - 1981

Nenhum comentário:

George Harrison começou a gravar Somewhere in England, seu nono álbum de estúdio, em março de 1980 e continuou esporadicamente, finalmente entregando o álbum à Warner Bros Records, a distribuidora de sua gravadora Dark Horse no final de setembro daquele ano. No entanto, os executivos da Warner rejeitaram o álbum, achando que não era suficientemente comercial. Harrison concordou em retrabalhar e gravar novo material. A rítmica e com sabor caribenho "Blood From a Clone" é a faixa de abertura de Somewhere In England lançado em 1º de junho de 1981, e nela Harrison demonstra toda sua frustração. "Blood from a Clone", é uma pequena lamentação irritada sobre a indústria musical e a falta de alma das gravadoras. Somewhere in England alcançou o Top 20 no Reino Unido, mas nos EUA, sua corrida nas paradas foi relativamente breve. Depois do álbum seguinte de 1982, Gone Troppo, que se saiu ainda pior, Harrison retirou-se da indústria da música por meia década.

THE BEATLES - TICKET TO RIDE - ABSOLUTAMENTE SENSACIONAL!*****

Nenhum comentário:

sábado, 13 de agosto de 2022

AS DUAS INCRÍVEIS CAPAS DO MÊS DE JULHO★★★★★

4 comentários:


As duas capas bacanas que prontamente ilustraram o topo do nosso blog preferido durante o mês de julho e parte de agosto, não foram nada fáceis de fazer, mas para mim, tiveram o efeito visual que eu esperava. Somando as duas, aparecem 39 capas (Let It Be aparece nas duas) de alguns dos álbuns mais icônicos do universo Pop/Rock clássico. Claro, óbvio e evidente que a maioria são dos Beatles (ex-Beatles), mas também de outros grandes artistas. Só as mais legais. Alguém conseguiu identificar todos os discos? A próxima será só dos álbuns oficiais dos Beatles, que deve estrear ainda hoje, e as seguintes, talvez das carreiras solos e os outros Beatle-álbuns que foram aparecendo ao longo dos anos. Espero que tenham gostado e obrigado sempre por estarem aqui todos os dias. Fique de olho que vem muita novidade boa por aí. Valeu!
Wonderwall Music - George Harrison; Wedding Album - John Lennon & Yoko Ono; Eletronic Sound - George Harrison; The Beatles - Get Back/ Don't Let Me Down - single; Magic Christian Music - Badfinger; Abbey Road - The Beatles; Live Peace In Toronto - Plastic Ono Band; Let It Be - The Beatles; McCartney 1970 - Paul McCartney; Sentimental Journey - Ringo Starr; John Lennon - Plastic Ono Band - 1970; Living In The Material World - George Harrison; Apple Jam - All Things Must Pass - George Harrison; Concert For Bangladesh; Imagine - John Lennon; e 1962/1966 - The Beatles.
The Velvet Underground & Nico; Let It Be - The Beatles; All Things Must Pass - George Harrison; Get Yer Ya - Ya's Out - The Rolling Stones; Blind Faith; 1967/1970 - The Beatles; Layla And Other Assorted Love Songs - Derek and the Dominos; Is This What You Want - Jackie Lomax; Crosby, Stills, Nash & Young - Déja Vu; On Stage - Elvis Presley; L.A. Woman - The Doors; No Dice - Badfinger; Bob Dylan's Greatest Hits; Creedence Clearwater Revival - Cronicle - Susie Q; Led Zeppelin I (1968); Ram - Paul McCartney; Atom Heart Mother - Pink Floyd; Sometime In New York City - John Lennon & Yoko Ono; Ringo 1973 - Ringo Starr; Straight Up - Badfinger; Live and Let Die - Soundtrack; Eldorado - Eletric Light Orchestra; e Mind Games - John Lennon.

TIP OF MY TONGUE - LENNON & McCARTNEY

Nenhum comentário:

"Tip of My Tongue" foi composta por Paul McCartney (creditada a Lennon-McCartney) provavelmente em agosto ou início de setembro de 1962, e chegou a fazer parte do repertório da banda. Nas apresentações ao vivo, John Lennon tocava maracas. Apesar de ter chegado a ser registrada pelos Beatles, nunca houve uma gravação 'oficial' nos estúdios da EMI, até finalmente darem a música para Tommy Quickly. Ele gravou sua versão em 8 de julho de 1963, tendo The Remo Four como banda de apoio. A música foi lançada como single no final daquele mês pelo selo Pye Piccadilly, com "Heaven Only Knows" no lado B.

"Tip of My Tongue" foi uma das poucas músicas que nunca foram oficialmente lançadas pelos Beatles. Vários takes dessa música foram aparentemente registrados em 26 de novembro de 1962 em Abbey Road, embora George Martin não tenha gostado do resultado. Surpreendentemente, embora a versão de Tommy Quickly tenha sido lançada no Reino Unido enquanto a Beatlemania estava começando a decolar, o single foi um fracasso e se mostrou a primeira de uma série de decepções para a carreira de Quickly"Tip of My Tongue" também já foi gravada por várias bandas covers dos Beatles, mas nenhuma das versões chegando em lugar algum.

quinta-feira, 11 de agosto de 2022

CELLY CAMPELLO - BANHO DE LUA - SENSACIONAL!

Nenhum comentário:


A cantora Celly Campello nasceu no mesmo dia que Paul McCartney, 18 de junho de 1942, só que em São Paulo. Ela foi precursora do rockzinho brazuca no final dos anos 50 e comecinho dos 60. Criada em Taubaté, Celly começou sua carreira precocemente: dançou "Tico-Tico no Fubá" aos cinco anos numa apresentação infantil. Com seis anos cantou na Rádio Cacique em Taubaté, onde passou toda sua infância. Se tornou uma das participantes do Clube do Guri (Rádio Difusora de Taubaté). Estudou piano, violão e balé durante a infância. Aos doze anos já tinha o próprio programa de rádio, também na Rádio Cacique. Aos quinze anos de idade (1958) gravou o primeiro disco, em São Paulo no outro lado do primeiro 78 rotações do irmão Tony Campello que a acompanhou em boa parte da carreira. Estreou na televisão no programa Campeões do Disco, da TV Tupi, em 1958. Em 1959 estreou um programa próprio ao lado do irmão Tony, intitulado Celly e Tony em Hi-Fi, na Rede Record, o qual apresentou por dois anos. A carreira explodiu em 1959 com a versão brasileira de "Stupid Cupid", que no Brasil virou "Estúpido Cupido". A música foi lançada no programa do Chacrinha e se tornou um sucesso em todo país. Outros sucessos se seguiram: "Lacinhos Cor-de-Rosa", "Túnel do Amor" e a sensacional "Banho de Lua", sucessos que lhe renderam inúmeros prêmios e troféus, inclusive no exterior, quando lhe deram o título de Rainha do Rock Brasileiro.

Para tristeza de toda uma geração de fãs, Celly abandonou a carreira no auge, aos 20 anos, para se casar e morar em Campinas, onde teve dois filhos. No início da década de 1970 tentou relançar a carreira: apareceu no Hollywood Rock, pioneiro festival de rock no Rio de Janeiro, se apresentado com o irmão Tony Campello. O evento foi filmado para o documentário Ritmo Alucinante, lançado no mesmo ano. Em 1976, foi trazida de novo ao sucesso graças a telenovela Estúpido Cupido (homônimo do grande sucesso de 1959) na TV Globo, na qual gravou uma participação especial. Incentivada pelo sucesso da novela, tentaria retomar a carreira, chegando a gravar um disco e fazendo alguns espetáculos. Mas com o término da novela, voltou ao ostracismo. Vítima de um câncer, Celly Campello morreu em 3 de março de 2003, no Hospital Samaritano em Campinas.

THE BEATLES - HELP! I NEED SOMEBODY★★★★★

Nenhum comentário:

JULIAN LENNON - LUCKY ONES - 2022 ❖

Um comentário:

Julian Lennon, o filho mais velho do incomparável John Lennon, prepara o lançamento para 3 de setembro de seu próximo álbum de estúdio, JUDE, sua primeira coleção de novas músicas desde Everything Changes, de 2011. “Lucky Ones” é a nova faixa apresentada aos fãs. De acordo com um comunicado de imprensa, essa é uma canção que tenta capturar “a capacidade de Lennon de inspirar esperança e unidade com um gancho anestésico que nos lembra que somos os ‘sortudos’, já que sua paixão pela ação climática vem através de letras que pedem uma revolução”Lennon canta: “Sinto que uma mudança está chegando, eu sei / Uma nova revolução está batendo na minha porta / Eu sinto que uma mudança está chegando, tão forte / Pode não ser para sempre, mas sei que nós somos os sortudos”Lennon e Justin Clayton compartilham a produção do álbum. Além de “Lucky Ones”, o cantor também disponibilizou outras faixas de JUDE, "Breathe", “Every Little Moment”,"Freedom" e "Save Me". Todas essas diponíveis nos canais de streaming.
O título do álbum, JUDE, é uma referência à clássica “Hey Jude”, dos Beatles, escrita por Paul McCartney para confortar Julian, então com 5 anos, após a separação de seus pais. Originalmente escrita como “Hey Jules”, McCartney mudou “Jules” para “Jude” porque achou que soava melhor. "Hey Jude" se tornou uma das faixas de maior sucesso dos Beatles e continua sendo uma das favoritas do público nos shows ao vivo de McCartney.
Mesmo que Julian fale de ter uma relação de amor/ódio com a música, porque é uma lembrança de um momento infeliz de sua vida, ele agradece o apoio expresso através da letra e, ao longo dos anos, "Hey Jude" se tornou parte de sua vida e sua identidade pessoal. “Muitas dessas músicas estão em andamento há vários anos, então quase parece um álbum de amadurecimento. Com grande respeito pelo significado esmagador da música escrita para para mim, o título Jude transmite a jornada real da minha vida que essas faixas representam”.

THE BEATLES - WATCHING RAINBOWS✶✶✶✶✶✶✶✶✶✶

Nenhum comentário:

"Watching Rainbows" é uma música inédita dos Beatles gravada em 14 de janeiro de 1969, durante as massivas sessões de Get Back no Twickenham Studios. Desde então, foi comparada com "I Am the Walrus" e "I've Got A Feeling" pelas semelhanças nas letras e na estrutura.

John Lennon faz o vocal principal e toca no piano elétrico, Paul McCartney toca guitarra e Ringo Starr, bateria; O baixo está ausente porque McCartney está fazendo o papel habitual de George Harrison na guitarra principal, já que, Harrison abandonou temporariamente o grupo nesta fase das sessões. Clique na imagem do George.
"Watching Rainbows" foi improvisada por Lennon enquanto ele, Ringo e McCartney estavam passando por outras duas músicas de sua autoria, "Mean Mr. Mustard" do futuro Abbey Road e a também inédita "Madman", que os Beatles finalmente abandonaram depois de algumas tentativas.

"Watching Rainbows" é muitas vezes associada a outras três músicas dos Beatles: A primeira é a melodia estruturalmente similar de "I've Got a Feeling" (rehearsal, de McCartney e também da inacabada "Everybody Had a Hard Year", de Lennon, cujo a junção das duas virou "I've Got a Feeling", como conhecemos. Um dos versos mais inteligíveis de toda a música é a linha frequentemente repetida "Standin' in the garden, waitin' for the sun to shine" - (Em pé no jardim, esperando o sol brilhar), que seria uma reminiscência de "Walrus" - "Sentado em um jardim inglês, esperando o sol". Por causa dessa semelhança, "Rainbows" é muitas vezes interpretada como sendo diretamente derivada  de "Walrus". A terceira música conectada, até porque estava sendo tocada antes dela é "Mr. Mustard".
"Watching Rainbows" também foi o nome de um disco pirata, lançado em 1978, e a música, poderia perfeitamente ter aparecido no Anthology 3, mas parece que ainda vai permanecer guardada por muitos anos. Enquanto isso, a gente fica aqui a ver navios, ou melhor, assistindo os arco-íris.

OLIVIA NEWTON-JOHN - IF NOT FOR YOU❤️❤️❤️❤️❤️❤️

Um comentário:

A atriz e cantora australiana Olivia Newton-John morreu, aos 73 anos, na manhã de segunda-feira, 8. O viúvo da artista, John Easterling, contou que ela morreu em paz, em sua fazenda no sul da Califórnia, cercada por familiares e amigos. “Depois de uma jornada de 30 anos, ela perdeu sua batalha contra o câncer de mama metastático”. A causa da morte, no entanto, não foi confirmada. A luta da estrela contra a doença continua com o Olivia Newton-John Foundation Fund, instituto dedicado à pesquisa de plantas medicinais para curar o câncer. “Em vez de flores, a família pede que qualquer doação seja feita em sua memória para o fundo da Fundação Olivia Newton-John”, pediu o marido, John Easterling.
Olivia Newton-John foi uma das artistas mais populares dos anos 1970 e 1980. Sua carreira estourou mundialmente ao estrelar o filme Grease — Nos Tempos da Brilhantina (1978), ao lado do ator John Travolta.

No papel da protagonista Sandy Olsson, a atriz lançou grandes hits da época que compuseram a trilha sonora do longa-metragem, como "Hopessly Devoted to You", "Summer Nights" e "You’re the One that I Want". A estrela também venceu quatro Grammys e teve como maior sucesso a música Physical, lançada em 1981. O sucesso foi tanto que a canção ficou em primeiro lugar por dez semanas seguidas. John Travolta, 68 anos, homenageou Olivia Newton-John em uma publicação nas redes sociais. “Minha querida Olivia, você fez todas as nossas vidas muito melhores. Seu impacto foi incrível. Eu te amo muito. Nos veremos na estrada e estaremos todos juntos novamente. Seu desde o primeiro momento em que te vi e para sempre!” escreveu o ator.

Essa, pouca gente sabe. Em 1971, Olivia Newton-John fez uma cover de "If Not For You", canção de Bob Dylan de seu álbum de outubro de 1970 New Morning, que também ganhou versão de George Harrison em seu álbum triplo All Things Must Pass. A cantora australiana, baseando sua versão sobre o arranjo de Harrison, em vez do de Dylan, conheceu o sucesso internacional com "If Not for You", que foi a faixa-título de seu álbum de estreia e se tornou seu primeiro single de sucesso, atingindo o Top 40 em vários países. Além disso, o single passou três semanas como número 1 nas paradas dos Estados Unidos.

quarta-feira, 10 de agosto de 2022

PAUL McCARTNEY NO JAPÃO - 1989 - THIS ONE E MY BRAVE FACE - SENSĒSHONARU

Nenhum comentário:

A RAIVA DE LENNON EM UMA CARTA PARA PAUL McCARTNEY

Nenhum comentário:

Uma das famosas cartas de John Lennon, endereçada a Paul, Linda e todas as crianças McCartney está para ser leiloada e pode ser vendida por mais de US$ 40.000.

John Lennon e Paul McCartney tiveram sua amizade abalada depois dos Beatles, isso não é novidade para ninguém. Mas, algumas das nuances, ofensas e falas dessa briga sempre ficaram escondidas. Agora, uma carta raivosa de John Lennon para Paul McCartney vai a leilão. A Gotta Have Rock and Roll, instituição responsável pelo leilão, estima que os lances chegarão a US$ 40.000. A carta escrita por Lennon, foi originalmente publicada em 1971 - um ano depois do fim dos Beatles - na revista Melody Maker, como uma resposta a uma entrevista de Paul à mesma revista. A mensagem contém 3 páginas e foi datilografada pelo próprio John Lennon. Paul McCartney havia reclamado em sua entrevista sobre as finanças dos Beatles quando a banda acabou. O baixista também queria que o momento da dissolução tivesse sido diferente. “Ninguém mais estaria lá, nem mesmo Linda ou Yoko ou Allen Klein. Nós só assinaríamos o papel, entregaríamos para os advogados e eles que resolvam tudo. Isso é tudo o que eu quero agora, mas o John não o fará. Todo mundo acha que eu sou o agressor, você sabe. Eu só quero cair fora.”, declarou McCartney. Paul também acusou Lennon de copiar com Yoko o que ele fazia com Linda. Paul elogiou “Imagine”, mas também disse não gostar dos outros discos. “‘How Do You Sleep’ eu acho que é boba. E daí que vivo com caretas? Eu gosto de caretas. Eu tenho crianças normais. Isso não o afeta. Ele diz que a única coisa que fiz foi ‘Yesterday’. Ele sabe que está errado. Ele sabe e eu sei que não é verdade.”, comentou o artista sobre a música que lhe agredira. John também era o culpado pelo fim dos Beatles, segundo Paul. “Eu queria entrar numa van e fazer concertos rápidos, sem avisar no sábado à noite no Slough Town Hall ou algum lugar do tipo. Nós nos chamaríamos Rikki and the Red Streaks ou algo do tipo, e apenas nos levantaríamos e tocaríamos. Não teria imprensa e informaríamos ninguém. John achou uma idéia estúpida”, explicou Paul. A carta de John Lennon, que está sendo leiloada, foi uma resposta a essa entrevista de Paul. John lhe deu satisfações e explicou como foram feitas as divisões, além de questões de impostos. Ao escrever, Lennon acusa o colega de virar George e Ringo contra ele, além de acusar Paul de tê-los levado aos tribunais. A carta é agressiva e promove uma guerra de versões, ambos certos e errados ao mesmo tempo. Confira aqui a carta de John Lennon na integra:

Queridos Paul, Linda e todas as crianças McCartney
Obrigado por sua carta.
1) Nós LHE demos dinheiro pela parte da Apple.
2) Nós lhe demos MAIS dinheiro na forma de royalties que legalmente pertenciam a Apple. (Eu sei que somos a Apple, mas por outro lado não somos).
Talvez exista uma verdade lá em algum lugar, mas pela milésima vez nos últimos anos eu repito, ‘e os IMPOSTOS?’. Está tudo certo, bancando o velho e simples honesto Paul na Melody Maker, mas sabe muito bem que não é só assinar um pedaço de papel.
Você diz: ‘John não fará isso.’ Eu farei se você nos garantir contra o cara do imposto. De qualquer forma, você sabe que depois que nós tivermos NOSSA reunião, os *** advogados terão que fazer o que quer que a gente queira, certo? Se eles tiverem algum tipo de acordo entre ELES antes de NOS encontrarem, tornará tudo ainda mais fácil. Você quem decide, como já dissemos muitas vezes, nos encontraremos onde quer que você prefira. Apenas se decida! (duas semanas atrás eu lhe pedi por telefone, ‘por favor, vamos nos encontrar sem advogados, etc. e decidir o que queremos’, e eu enfatizei em especial a Maclen que é a nossa principal preocupação, mas você recusou, certo?) Você diz que DE JEITO NENHUM você nos venderia se não fizéssemos o que queria, que nos processaria de novo e que GEORGE e RINGO iriam te quebrar John, etc. etc. Eu fui bem direto com você outro dia, e você tentou me derrubar com sua “lógica” emocional. SE VOCÊ NÃO É o agressor (como diz) quem então nos levou pros tribunais e cagou em todos nós em público? Como eu disse antes, você alguma vez pensou que você PODERIA estar errado sobre alguma coisa? Seu conceito sobre nós e Klein é incrível. Você diz que ‘cometeu o erro de tentar avisá-los sobre Klein e que isso nos deixou ***’ e que nós secretamente sabemos que está certo. Bom Deus! Você deve saber que NÓS ESTAMOS certos sobre Eastman. Outra pequena mentira no seu ‘é só o Paulie’ pedaço da MM: Let It Be não foi a primeira publicidade exagerada num disco dos Beatles. Lembra de Tony Barrow? E seu maravilhoso texto em Please Please Me, etc. etc. Os primeiros discos de Natal! E você tem que admitir que era um álbum da “nova fase” dos Beatles, aliás escrito no estilo do grande Barrow! E a propósito, o que aconteceu com minha ideia de colocar uma paródia da capa do nosso primeiro disco na capa de Let It Be?Além disso, originalmente nós pretendíamos parodiar o Barrow, então isso foi publicidade. Mas o que é o seu artigo da LIFE? Tony Barrow não conseguiria ter feito o mesmo. (E o texto do encarte no álbum dos Wings não é exatamente realista, é?) De qualquer forma, chega desse divertimento mesquinho burguês. Outra coisa, o que quer dizer com GRANDE COISA em Toronto? Foi totalmente instantâneo. Eles nos ligaram na Sexta, nós voamos pra lá, e nós tocamos no Sábado. Eu passei mal porque estava bêbado. Escute o disco – nem ensaio teve. Vamos lá Macca! Admita! Nós nunca tínhamos tocado juntos antes! Meia dúzia de shows ao vivo sem alvoroço. Na verdade ESTAMOS FAZENDO o que você diz que os Beatles deveriam fazer. Yoko e eu temos feito isso por três anos. (eu disse que achava estúpido os Beatles fazerem isso. Ainda acho que é estúpido.) Então vá em frente e faça isso! Faça! Faça! (Cambridge, de 1969, foi totalmente não divulgado!) Uma casa bem pequena. Lyceum Ballroom, 1969, sem estardalhaço, grande show… Live Jam em breve! Filmore East, 1971, sem divulgação. Nós até tocamos nas ruas aqui do Village (nossa casa espiritual?) com o grande David Peel. Nós até fomos retirados pelos guardas. É o melhor, apenas FAZÊ-LO. Eu sei que você vai gostar, e de qualquer forma eles nem esperam mais os Beatles agora. Então você acha que ‘Imagine’ não é político? É ‘Working Class Hero’ com açúcar para conservadores como você! Você obviamente não gostou das letras. Imagine! Você toma ‘Working Class Hero’ tão literalmente (leia o meu próprio review do álbum na Crawdaddy.) Sua política é muito similar a de Mary Whitehouse: “Dizer nada é tão alto quanto dizer alguma coisa.”
Sem ressentimentos a você também. Eu sei basicamente que queremos o mesmo, e como eu disse no telefone e nessa carta, quando for que quiser me encontrar, tudo que tem que fazer é ligar.
All you need is love
Power to the people
Free all prisoners
Jail the judges
Love and peace
Get it on and rip ‘em off
John Lennon
P.S. O pedaço que realmente nos deixou confusos foi você pedir para nos encontrar SEM LINDA E YOKO. Eu achei que você JÁ tivesse entendido que eu sou JOHN&YOKO.
P.P.S. Até os seus advogados sabem que você não pode “só assinar um pedaço de papel” (ou eles não te disseram?)

A carta datilografada de três páginas, com anotações manuscritas de John Lennon e sua assinatura está em muito bom estado. Vem com uma carta de autenticidade do especialista em caligrafia dos Beatles Frank Caiazzo, um relatório forense de Karl Schaffenberger, um certificado de autenticidade Roger Epperson Authenticated Ltd. (REAL), bem como um certificado Gotta Have Rock & Roll de Autenticidade.

Em 2016, uma outra carta de John Lennon para Paul e Linda McCartney, também foi a leilão. Confira a carta na íntegra em UMA CARTA PARA PAUL & LINDA McCARTNEY

sexta-feira, 5 de agosto de 2022

GEORGE HARRISON - YOU - EXTRA TEXTURE - 1974*****

Nenhum comentário:

"You" de George Harrison, foi lançada como a faixa de abertura de seu álbum de 1975 Extra Texture (Read All About It). Foi também o primeiro single do álbum, que entrou para o Top 20 na América e alcançando o número 9 no Canadá. Uma parte instrumental de 45 segundos da música, intitulada "A Bit More of You", aparece também em Extra Texture, abrindo o lado dois do LP original. Harrison escreveu "You" em 1970 como uma música para Ronnie Spector, ex-Ronettes, e esposa do co-produtor de All Things Must Pass, Phil Spector. A composição reflete a admiração de Harrison pela soul/R&B americana dos anos 60, particularmente pela Motown.
Em fevereiro de 1971, Ronnie Spector gravou "You" em Londres para um álbum solo proposto pela Apple, mas a gravação não foi lançada. Quatro anos depois, Harrison retornou ao backing track enquanto fazia seu último álbum pela Apple Records, em Los Angeles. A gravação lançada apresenta as contribuições de 1971 de Leon Russell, Jim Gordon e outros, com mais instrumentação e vocais em overdubs, notavelmente, uma série de solos de saxofone de Jim Horn. No lançamento, a música foi bem recebida pela maioria dos críticos, que a viram como um retorno à boa forma de Harrison após sua decepcionante turnê norte-americana de 1974 e o álbum Dark Horse.

quinta-feira, 4 de agosto de 2022

THE BEATLES - IT WON'T BE LONG - SENSACIONAL!

Nenhum comentário:

O álbum "With The Beatles" foi lançado em novembro de 1963, quando a Beatlemania varria a Inglaterra. A fotografia em preto e branco da capa, de Robert Freeman, no qual a metade dos quatro rostos está na sombra, marca um momento decisivo na iconografia dos Beatles.

Enquanto Please Please Meo álbum de estreia, tinha sido gravado em um dia, as sessões de With The Beatles aconteceram ao longo de três meses, em uma mudança de uma sessão "ao vivo", pouco trabalhada, para uma produção pop mais sofisticada. "Foi quando descobrimos o double-tracking" (voz duplicada). Quando descobri aquilo, comecei a gravar tudo em double-tracking. Eu não deixava nada ficar em single-tracked. Ele (George Martin) dizia 'por favor, só essa', e eu dizia não". John Lennon comentou posteriormente.

"It Won't Be Long" era a faixa de abertura do álbum e num primeiro momento, havia sido escolhida por Lennon como possível single após "She LovesYou", mas a estratégia foi descartada porque, como ele afirmou, "a música nunca deu certo de verdade". Composta como uma canção de amor, poderia ser a história do começo da vida de Lennon. Solitário e rejeitado, ele espera a volta da garota que o abandonou. pesquisador e escritor Steve Turner, diz o seguinte: "Como em muitas canções posteriores, essa dramatiza a própria angústia, contrastada à vida despreocupada que imagina que todos levem, acreditando que assim que se reencontrar com sua amada todos os seus problemas serão solucionados".
Thelma McGough, que começou a namorar John depois que a mãe dele morreu, em julho de 1958, acredita que as canções dele sobre rejeição não são baseadas em histórias de amor que deram errado, e sim no fato de ter sido abandonado pelo pai na infância e, mais tarde, pela mãe, acabando por ser criado pela tia. "Eu perdi minha mãe duas vezes", ele diria, "uma vez aos 5 anos e, de novo, aos 17". "Rejeição e traição faziam parte da experiência de vida dele", diz Thelma. "Quando eu o conheci, a primeira conversa de verdade que tivemos foi toda sobre isso porque o meu pai tinha feito exatamente a mesma coisa, então sentimos que tínhamos algo em comum. Isso nos aproximou. Além disso, não se pode esquecer que a mãe dele certa vez foi atropelada e, apesar de ele aparentar calma, estava sofrendo muito. Nós dois nos sentíamos muito abandonados. Havia uma grande diferença entre Paul e John, apesar de ambos terem perdido a mãe na adolescência. Paul tinha uma família muito próxima, uma ampla rede de primos e tias. O pai dele era maravilhoso. A vida de John era muito isolada. Ele morava com Mimi (irmã de sua mãe), que cuidava dele muito bem, mas não havia proximidade. Era uma relação muito fria a deles".

"It Won't Be Long" foi lançada como a primeira faixa do With the Beatles em 22 de novembro de 1963, e foi a primeira canção original gravada para ele. Embora creditada a Lennon e McCartney, foi principalmente uma composição de John Lennon, com Paul McCartney ajudando em algumas partes da letra e os arranjos. Os Beatles gravaram "It Won't Be Long" em 30 de julho de 1963, nos estúdios da EMI, em Abbey Road, em duas sessões. Na primeira, pela manhã, gravaram 10 takes. A segunda sessão foi à tarde, gravaram mais sete tomadas. O produto final foi uma combinação das tomadas 17 e 21, montadas em 21 de agosto."It Won't Be Long" nunca foi tocada ao vivo ou em qualquer uma das sessões do grupo na BBC, embora eles tenham dublado a faixa em uma edição de Ready Steady Go! em março de 1964. Foi produzida por George Martin e teve Norman Smith como engenheiro. Os Beatles estão em seus instrumentos habituais: John Lennon canta o vocal principal (duplicado) e toca guitarra; Paul McCartney faz backing vocals e toca baixo; George Harrison também faz backing vocals e toca guitarra; e Ringo Starr, toca bateria.