quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

FELIZ NATAL DO BAÚ DO EDU

Nenhum comentário:
Clique nas imagens. Vale à pena!

Caros amigos:
Depois de 4 meses de intensa atividade, finalmente chega o 1º Natal do Baú do Edu. Foi um ano bem difícil. Mas acho que terminamos bem. O Baú está no ar, o Papai melhorou muito e eu voltei para o frenético ritmo das agências de propaganda (que adoro)! Para comemorar, procurei uma forma que pudesse homenagear todos nós. A melhor que encontrei foi tentar “reproduzir” a capa do álbum mais famoso de todos os tempos: Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles. Um trabalho difícil, complicado e interminável (sempre faltará alguém). Para esses que faltaram, deixo minha promessa que um dia haverá espaço para todos! Continuem acessando o BAÚ DO EDU e não esqueçam de deixar seus comentários!
BOAS FESTAS, FELIZ NATAL E UM EXCELENTE ANO NOVO!
BEATLES 4 EVER! BADFINGER BOOGIE!
YEAH, YEAH, YEAH!!!
Abração
Edu Badfinger

QUEM É QUEM NO BAÚ DO EDU

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

8/12/1980 - UM DIA QUE NUNCA VOU ESQUECER

Nenhum comentário:
Em dezembro de 1980, eu tinha 18 anos, vivia o auge da minha Beatlemania e a expectativa pelo lançamento do novo disco de John, depois de 5 anos de silêncio. Na manhã do dia 9 (quarta-feira), me preparava para enfrentar o dia quando fui surpreendido pelo meu irmão Adelmar, que apareceu perguntando se eu já sabia(?). Não.Eu não sabia! Então, ele soltou a bomba: O JOHN LENNON FOI ASSASSINADO ESTA NOITE COM 5 TIROS POR UM IDIOTA! Naquele momento, quem foi assassinado fui eu! Achei que fosse brincadeira. Mas sabia que não era! Ele era meu ídolo, meu herói indestrutível, e invulnerável. E estava morto! Não conseguia entender! Porque ele??? Talvez, nunca tenha sentido tanto a morte de alguém, como sofrí com a de John Lennon. Na época, fiquei de luto e encaixotei todos os meus discos, jurando que nunca mais ia ouvir. Não durou uma semana! Na véspera do natal. foi lançado DOUBLE FANTASY trazendo Starting Over, Woman, Wacthing The Wheels entre outras. Sucesso arrasador! “Imagine” e “Happy Xmas” borbardeavam as paradas como nunca. Desde sua época. Talvez, naquele momento, o sonho utópico de John tenha se realizado... pela primeira vez o mundo estava unido.
Todas essas lembranças já fazem 28 anos e nada mudará o que aconteceu. E nada, mudará meu mundo! Para mim, JOHN LENNON, você sempre será o MAIOR!
VOCÊ CRIOU TUDO ISSO! VOCÊ CRIOU THE BEATLES!





JOHN LENNON - STAND BY ME



FIQUE COMIGO

Quando a noite chegar
E a terra estiver escura,
E a lua é a única luz que vemos,
Não, eu não terei medo
Não, eu não terei medo,
Exatamente enquanto você estiver, comigo...

Então querida, querida, fique comigo,
Oh, fique comigo, fique comigo,
Fique comigo, fique comigo...

Se o céu que vemos lá em cima
Desabasse e caísse,
Ou as montanhas desmoronassem para o mar,
Eu não chorarei, eu não chorarei,
Não, eu não derramarei uma lágrima,
Exatamente enquanto você estiver, comigo...

A qualquer hora que você estiver com problemas,
você não estará comigo?
Agora, agora, fique comigo
Oh, fique comigo, fique comigo, fique comigo.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

E O PAPA PERDOOU OS BEATLES...

Nenhum comentário:

Depois de mais de 40 anos vivendo em pecado,os Beatles foram perdoados pelo Vaticano por terem dito (John Lennon), nos anos 60, que eram mais populares do que Jesus Cristo. 0 desabafo do músico foi uma forma de "exibicionismo, de gabarolice por parte de um jovem músico inglês pertencente às classes trabalhadoras, que havia crescido na era de Elvis Presley e do rock and roll, e alcançado um sucesso inesperado".

domingo, 23 de novembro de 2008

FREE AS A BIRD - A INCRÍVEL VOLTA DOS BEATLES

Um comentário:

FREE AS A BIRD - Um breve resumo
Um breve resumo. (Será que "breve resumo" é pleonasmo?)
Não sei e não me interessa tanto assim. O que eu sei é que, durante as gravações do ANTHOLOGY ( na época "The Long And Widing Road"), os três Beatles remanescentes decidiram que fariam NOVAS gravações inéditas com os 4 Beatles juntos! Usando toda a tecnologia conhecida na época (1995). "Free As A Bird" e "Real Love", compostas originalmente por John Lennon, eram as que mais se encaixavam com o projeto! Na verdade, eram apenas rascunhos. Paul, George, Ringo & Jeff (Jeff Lynne - produtor), tiveram que trabalhar bastante em cima delas. Completaram versos e passagens deixados por John. Como se fosse um trabalho deixado para eles. Acrescentaram instrumentos, vozes e tudo mais. O resultado foi brilhante! Como sempre! Para completar, "Free As A Bird" é a faixa de abertura do Anthology I. Ela não só trouxe os Beatles de volta ao seu lugar, o número 1, como têm também um vídeo-clipe premiadíssimo onde praticamente, cada palavra da letra corresponde à uma canção e referência de sua obra. Mas, isso, vai ficar para depois...

O que eu queria que vissem mesmo era essa extraordinária colagem feita por um brasileiro, Serginho Azevedo, gente boa, que mostra os Beatles "ao vivo" tocando FREE AS A BIRD. Não deixem de ver! É muito legal!!!
Abração!



Livre como um pássaro

É a próxima melhor coisa a ser

Livre como um pássaro

Em casa, em casa e salvo

Como um beija-flor eu voarei

Como um pássaro sob as asas

O que quer que tenha acontecido

Com a vida que um dia nós tivemos

E nós realmente vivemos um sem o outro

Onde perdemos o contato

Parece significar tanto

Sempre me faz sentir tão...

Livre como um pássaro

É a próxima melhor coisa a ser

Livre como um pássaro

Em casa, em casa e salvo

Como um beija-flor eu voarei

Como um pássaro sob as asas

O que quer que tenha acontecido

Com a vida que um dia nós tivemos

Sempre me faz sentir tão livre

Livre como um pássaro

É a melhor coisa a se fazer em seguida

Livre como um pássaro.


sábado, 22 de novembro de 2008

EU FUI O PRIMEIRO E ÚNICO BILLY SHEARS - SENSACIONAL - IMPERDÍVEL!!!

Nenhum comentário:
Tenho um grande amigo, Edmundo Macalé. Artista multimídia, Eddie Macca desenha, escreve e faz propaganda. Há 3 anos me mandou uma história incrívelmente fantástica sobre a lenda da morte de Paul McCartney. Para quem não sabe, Edmundo Macalé também é autor da sensacional história "O DIA QUE MEU FUSCA VIROU BEATLE", e protagonista do conto "Uma Tarde Do Outro Mundo".
Essa "nova" contando a saga de William Campbell, ele nunca publicou e eu fui a primeira pessoa a quem ele confiou. É SENSACIONAL E IMPERDÍVEL! Não deixem de ler! Como ela é meio longa, precisei criar um link para poder postá-la. Clique no link e a verdadeira história de William Campbell surgirá. Espero que gostem. Eddie Macca: aquele abraço!!!
Senhoras e Senhores: com vocês, o primeiro e único Billy Shears!
http://baudoedubillyshears-edu.blogspot.com/

terça-feira, 11 de novembro de 2008

FILIPINAS X THE BEATLES

Nenhum comentário:


Há 40 anos os Beatles viveram uma aventura em Manila no estilo do filme Os Reis do Iê-Iê-Iê, quando foram perseguidos por uma multidão ofendida pela rejeição do grupo em comparecer a uma recepção organizada por Imelda Marcos, a então primeira-dama das Filipinas. Nunca, os Fab Four, então no auge da fama, sofreram uma humilhação semelhante à daquele dia 5 de julho de 1966, quando foram obrigados a fugir até o aeroporto e abandonar o país entre golpes e insultos. Um dia antes, a banda britânica negou o convite para visitar o Palácio de Malacañang e conhecer Imelda, a esposa do ditador Ferdinand Marcos. O motivo alegado pelos Beatles foi que a hora marcada para o encontro coincidia com o primeiro dos dois shows que seriam realizados naquele dia no Rizal Memorial Stadium de Manila, diante de 80 mil filipinos, que compareceram ao espetáculo alheios às exigências da esposa de Marcos (Mas isso era mentira. Eles ficaram dormindo no hotel. Era seu dia de folga, ora!). Imelda, acostumada durante mais de 20 anos - do Governo ditador de seu marido - a ter todos os seus desejos e caprichos prontamente atendidos, não ficou nada satisfeita com o não aparecimento dos rapazes de Liverpool. Com a manchete "Imelda humilhada pelos Beatles", todos os jornais anunciavam ao povo das Filipinas que a banda mais famosa do mundo esnobou e negou a encontrar-se com a primeira-dama. A reportagem chamou a atenção do empresário dos Beatles, Brian Epstein, que convocou uma entrevista coletiva televisada para tentar esclarecer o mal-entendido. Os esforços de Epstein não serviram para nada, já que a transmissão sofreu suspeitas interrupções técnicas. O promotor das apresentações dos Beatles na Filipinas, Ramon Ramos, afirmou que a afronta o autorizava a não pagar à banda, enquanto falsas ameaças de bomba eram anunciadas na embaixada britânica e no Manila Hotel, onde estavam hospedados. Ringo Starr lembraria anos depois que o tratamento dos empregados do hotel estava mais frio, embora o pior ainda estivesse por vir, quandoos esperava no aeroporto, onde tomariam um avião com destino à Índia. No terminal, Misael Vera, o responsável do Escritório de Rendas Internas, disse que os Beatles não deixariam o país até que pagassem os impostos que supostamente não tinham sido recolhidos desde a chegada da banda. Epstein, que começava a conhecer o sistema de corrupção da família Marcos, pagou de seu bolso os US$ 18 mil. Mesmo assim, o dedicado empresário não conseguiu suavizar a "via-Sacra" organizada contra seus pupilos. No trajeto até o avião, que foram obrigados a fazer a pé, aproximadamente 300 pessoas aguardavam a banda para a despedida do país, realizada com empurrões, cuspes e gritos de "Beatles, vão embora!". Ringo foi quem mais sofreu, recebendo um soco na cara e sendo pisoteado depois de desmontar no asfalto do aeroporto. Mal Evans achou que não sairiam vivos dali. Melhor sorte tiveram os outros, que se protegeram atrás de um grupo de freiras que subia no mesmo avião, que só decolou após mais de uma hora de confusão. Nenhum dos Beatles ou de sua equipe jamais voltou ao país e todos concordaram que foi o pior lugar que já estiveram na vida! Talvez, se tivesse sido aqui, não seria muito diferente. Ainda hoje.


quinta-feira, 6 de novembro de 2008

JOHN LENNON - IT'S SO HARD - É MUITO DIFÍCIL

Nenhum comentário:


Você tem que viver
Você tem que amar
Você precisa ser alguém
Você tem que empurrar
Mas é tão difícil, é realmente difícil
Às vezes eu sinto vontade de cair
Você tem que comer
Você tem que beber
Você tem que sentir algo
Você tem que se preocupar
Mas é tão difícil, é realmente difícil
Às vezes eu sinto vontade de cair
Mas quando é bom
Realmente é bom
E quando eu te seguro nos meus braços, baby
Às vezes eu sinto vontade de cair
Você tem que correr
Você tem que se esconder
Você tem que manter sua mulher satisfeita
Mas é tão difícil, é realmente difícil
Às vezes eu sinto vontade de cair

Edu disse:
Me sinto assim também, velho amigo.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

OB LA DI, OB LA DA....VIVA A VIDA!

Nenhum comentário:
Esta é a pequenina Juju. Julia. Minha netinha linda filha do meu filho Pedro Ivo e da querida Ingrid. O maior beijo do mundo! I'LL LOVE HER FOREVER!

JULIA - John Lennon & Paul McCartney

Metade do que digo é sem sentido
Mas eu digo só para atingir você, Julia
Julia, Julia, criança do oceano, me chama
Então eu canto uma canção de amor, Julia
Julia, olhos de concha, sorriso ventoso
Me chama
Então eu canto uma canção de amor, Julia
Seus cabelos de céu flutuante estão ondulantes
Reluzindo no sol
Julia, Julia, lua do amanhecer, toque-me
Então eu canto uma canção de amor, Julia
Quando não consigo cantar o meu coração
Posso apenas expressar minha mente, Julia
Julia, areia sonolenta, nuvem silenciosa, toque-me
Então eu canto uma canção de amor, Julia
Hum hum hum... me chama
Então eu canto uma canção de amor para Julia.

sábado, 25 de outubro de 2008

O VELHO JIM McCARTNEY - O MELHOR AMIGO DE PAUL E AMIGÃO DOS BEATLES

4 comentários:




James Paul McCartney nasceu no dia 18 de Junho de 1942, em Liverpool, norte da Inglaterra. Seguindo a tradição da região, o nome do primeiro filho levava o nome do pai. O segundo, de um irmão da mãe. Quando nasceu já teve tratamento 5 estrelas, sua mãe já havia trabalhado no hospital como encarregada da enfermaria da maternidade. Parece que gostou. Os pais, Mary Patricia Mohin e Jim (James) Mccartney, ambos de descendência irlandesa, casaram-se em 1941 e foram morar nos quartos mobiliados de Anfield. Mary abandonara o trabalho do hospital fazia apenas um ano, tornando-se health visitor(misto de enfermeira e assistente social). Quando Paul nasceu, Jim trabalhava, durante o dia, em Napiers e, de noite, como bombeiro. Como sua esposa havia trabalhado no hospital, ele podia visitar a ela e seu filho quando bem entendia, sem precisar respeitar os horários de visita. Sobre seu filho, Jim disse: "Ele tinha uma aparência horrorosa, eu não podia suportar isso. Tinha só um dos olhos abertos e chorava o tempo todo. Eles o levantaram e ele parecia um pedaço horroroso de carne vermelha. Quando cheguei em casa chorei, pela primeira vez, em muitos anos. Contudo, no dia seguinte, ele parecia mais humano. E, cada dia que passava, suas feições melhoravam. Afinal, ele se tornou um lindo bebê." Um dia, quando Paul brincava no jardim de casa, sua mãe descobriu algumas manchas de cinza em seu rosto e disse que tinham que se mudar. Jim conseguiu obter uma casa no Knowlsely State, em Wallasey.O trabalho de Jim em Napiers terminou antes do fim da guerra e ele foi transferido para um emprego na Liverpool Corporation Cleansing Department, como inspetor temporário, e lhe cabia verificar se os lixeiros estavam trabalhando direito. Recebia pouco dinheiro, ao passo que sua esposa voltara ao emprego de health visitor, até o nascimento de seu segundo filho, Michael, em 1943.Na verdade, ela nunca gostou tanto de visitas como as da enfermaria. Era muito trabalho - das nove às cinco -, como um serviço de escritório. Então ela voltou à obstetrícia, arranjando 2 empregos de parteira domiciliar. Ela era chamada todas as noites. Jim diz que ela sempre trabalhava demais, mais do que deveria, pois ela era superconscienciosa.Paul entrou para a escola primária Stockton Wood Road Primary quando ainda morava em Speke. Michael foi mandado para a mesma escola. Jim se lembra da diretora dizendo como os dois meninos eram bons com as crianças menores. "Ela dizia que Michael seria um líder. Acho que era porque ele estava sempre discutindo. Paul era muito mais calmo em fazer as coisas. E tinha um senso muito mais prático." Quando a escola ficou muito cheia, foram transferidos para uma outra, a Joseph Willians Primary School. À medida que Paul ficava mais velho, ia aperfeiçoando sua diplomacia tranqüila, continuando a fazer tudo muito calmamente. Jim conta que uma vez estava batendo em Michael por ele ter feito alguma coisa errada e Paul ficava por perto gritando à Mike para dizer que não tinha sido ele, que o pai pararia. mas Michael reconhecia seu erro. Paul era sempre capaz de escapar dos perigos."Eu era bastante furtivo", diz Paul. "Se às vezes apanhava, costumava entrar no quarto dos meus pais quando eles não estavam e rasgar a parte de baixo das cortinas de renda, só um pedacinho, e pensava: que isso lhes sirva de lição". KKK! Facilmente Paul terminou o primário e logo foi para o Liverpool Institute, a escola secundária mais conhecida de Liverpool. Paul mantinha-se sempre entre os primeiros da classe. Era capaz de fazer seus deveres de casa enquanto assistia os programs de televisão. Enquanto os fazia, sabia exatamente o que estava passando na TV. Era bastante inteligente e iria entrar, com certeza, em uma boa faculdade. Isso era o que Jim sonhava para ele. Quando Paul descobriu o que seu pai almejava, tentou deixar de obter boas notas. Sempre foi bom latinista, mas quando Jim lhe disse que ia precisar muito em Latim, ele começou a negligenciar. No Institute, Paul tornou-se o garoto mais precoce no aspecto sexual, conhecendo tudo ou quase tudo sobre o assunto. Perdeu a virgindade aos 15 anos. Certa vez, fizera um desenho obsceno para a turma. Era dobrado de tal modo que só se via a cabeça e os pés da mulher, mas quando aberto via-se que ela estava nua. Por engano, paul deixara o desenho no bolso da camisa, e esse era o bolso que ele costumava guardar os vales-refeição. Sua mãe sempre revistava o bolso antes de lavar, porque Paul às vezes esquecia alguns. Chegou em casa um dia e sua mãe lhe mostrou o desenho e perguntou se era ele que tinha feito aquilo. Ele disse que não, que fora um garoto da classe e que certamente o colocara ali. Afirmou isso por dois dias. Acabou confessando a verdade. Depois do primeiro ano, Paul se encheu do trabalho de escola. Alegou que, nunca, em seu tempo de escola, alguém o dissera para que estava sendo educado. Achava os deveres de casa uma chateação. Ele não suportava ficar fazendo-os numa noite de verão, enquanto os outros garotos brincavam na rua. Os McCartney mudaram-se de Ardwick quando Paul tinha 13 anos. Sua mãe deixou de ser parteira domiciliar, apesar de, mais tarde, voltar a trablahar como health visitor. Eles receberam uma casa da prefeitura em Forthlin Road 20, Allerton, onde Paul passou sua juventude. Estavam morando em Forthlin Road fazia pouco tempo quando Mary começou a sentir dores no seio. As dores continuaram por 3 ou 4 semanas, desaparecendo e voltando, e ela pôs a culpa na menopausa. Falou com vários médicos, e eles concordaram com ela, aconselhando-a que procurasse esquecer. Mas as dores continuaram, cada vez mais fortes. Mary então decidiu procurar um especialista. Ele diagnosticou câncer. Operaram e ela morreu. Tudo aconteceu no espaço de um mês após ela ter sentido as primeiras dores sérias.Paul lembra-se que fez um comentário maldoso logo que ficou sabendo. Disse "O que iremos fazer sem o dinheiro dela?" Arrependera-se durante meses de ter falado isso. Mas era verdade. Mary sempre ganhara mais do que Jim como parteira. Mas duas das irmãs dele ajudaram muito. Logo após a morte de Mary, Mike e Paul foram morar com Tia Jinny por uns tempos. Depois, uma delas vinha, uma vez por semana, a Forthlin Road, limpar a casa devidamente.Mas Jim estava arrasado, sentindo muito a falta da mulher. Teve então que confiar muito nos rapazes. O irmaõ de Paul, Michael, pensa que houve uma influência direta da morte se sua mãe sobre Paul. "Foi logo após a morte da mamãe que começou sua obsessão por guitarras. Tomou toda a sua vida. A gente perde a mãe e encontra uma guitarra? Não sei. Talvez tenha vindo naquela época e se tornou uma fuga."
Quando Paul e John e George fizeram os Beatles, o velho Jim McCartney era um dos maiores incentivadores. John e George nunca se incomodaram de estarem tocando e compondo na casa dele. O velho Jim McCartney morreu em 18 de março de 1976. De complicações pulmonares. Paul não teve tempo de visitá-lo nem de ir ao funeral. Estava em excursão com os Wings.
Só uma lembrança: Quando Paul fala nos versos de LET IT BE, "Mother Mary comes to me", não é referência à Virgem Maria. Mas para sua mãe, Mary Mohin. Ah, o nome do primeiro filho de Paul (macho) também é James. Jim.
Filho de Linda.
Só mais uma:
Quando Paul começou a ganhar dinheiro com os Beatles, chegou em casa e anunciou: "Hey, velhinho. Você não precisa mais tarabalhar!".
O velho Jim disse que foi o dia mais feliz de sua vida!
Em outra oportunidade, poderemos falar sobre as outras famílias Beatles. Deixem seus coments. Afinal, somos todos uma grande família.
Ok? Abração!
BADFINGER BOOGIE!
BEATLES 4 EVER!
Fonte: MANY YEARS FROM NOW

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

BADFINGER BOOGIE! ALGUÉM SABE O QUE É ISSO?

Nenhum comentário:

Eu sei. É um "grito de guerra"!
Durante os primeiros meses de 67, os Beatles se trancaram no estúdio para preparar um novo álbum. Paul e John trabalhavam em uma canção especialmente para Ringo. Colocaram o título provisório de "Badfinger Boogie". O novo álbum era Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band. O disco mais revolucionário de todos os tempos. "Badfinger Boogie" tornou-se "With a Little Help From My Friends". E o título provisório parecia perdido para sempre. Mas o passar do tempo nos ensina grandes lições. Com o lançamento da Apple - a gravadora dos Beatles - , foi contratada uma jovem banda com rapazes simples, divertidos e vindos do interior. Vinham de Swansea e Liverpool. THE IVEYS.
Ninguém, nem os Beatles, nem Mal Evans, nem Neil Aspinall gostavam do nome "Iveys". Foi de Neil a idéia para mudarem o nome sugerindo o velho título que havia se perdido: BADFINGER. Com a chegada do sucesso, e a venda de milhões de discos, e "No Matter What" a cada dia mais próxima do primeiro lugar, BADFINGER BOOGIE tornou-se o grito de guerra e saudação dentre os milhares de fãs dessa nova bandinha maravilhosa. Com o passar dos anos, isso só aumentou!
Caros amigos, isso é só um deguste do ESPECIAL BADFINGER que estou preparando a meses. Recheado dessas histórias curiosas que deixam as lendas do rock ainda mais vivas! Me aguardem!
BADFINGER BOOGIE! BEATLES 4 EVER! Abração! Edu

OS RAMONES INVADEM O BAÚ DO EDU

Nenhum comentário:
HEY HO, DINAMITE, LET'S GO

terça-feira, 21 de outubro de 2008

A OUTRA FOTO DO DIA: PAUL, JOHN & RINGO

Nenhum comentário:

GEORGE HARRISON - VIVENDO NO MUNDO ESPIRITUAL

Nenhum comentário:

Desde criança George Harold Harrison tinha um ar grave, misterioso, depois realçado pela descoberta da meditação transcendental e pelo encontro definitivo com o misticismo oriental. Introspectivo, normalmente calado, George tinha, no entanto, tiradas que desarmavam o ouvinte, reveladoras de um humor no mínimo peculiar. Era também, de uma timidez que podia se confundir com arrogância, mas que, na verdade, escondia boa dose de autoconfiança.

Nos pouco mais de dez anos de existência, os Beatles praticamente estabeleceram todos os novos parâmetros do rock e do pop. George tinha sua cota como cantor e autor em uma ou duas faixas por disco da banda e foi conquistando seu espaço com canções cada vez melhores. Alguns dos maiores clássicos dos Beatles são de sua autoria: a energética Taxman, que abre o Revolver, a bela e singela Here Comes the Sun e Something, considerada por Frank Sinatra "a mais bela canção de amor dos últimos 50 anos".

Como guitarrista, George diferenciava-se pelo uso elegante da slide guitar, que produz um som alongado, choroso. Dois momentos nesse período parecem ter sido especialmente marcantes para que George começasse a finalmente ganhar voz própria e libertar-se da sombra incômoda dos egos enormes de John e Paul. Um deles foi quando experimentou LSD pela primeira vez. A experiência transformou sua vida, e parece ter mesmo "expandido sua consciência", como pregavam os teóricos hippies da época.

O outro momento foi quando, em 1966, foi com a mulher, a modelo Pattie Boyd, para a Índia, onde ficou hospedado na casa de Ravi Shankar, a quem conhecera numa festa dada pelo diretor e ator Peter Sellers. Iniciaram uma amizade que seria responsável em grande parte pela popularização da cultura indiana no Ocidente. Shankar não apenas lhe ensinou a tocar cítara, como foi decisivo na conversão espiritual do amigo. Foi depois desse encontro iluminador que os Beatles foram à Índia meditar sob os auspícios de Maharishi Maheshi Yogi, um guru de longos cabelos, barbas brancas e sorriso curioso.

Antes mesmo de conhecer Shankar, George já havia colocado os sons encantatórios da cítara na gravação de Norwegian Wood. Tudo muito por acaso: depois de ver alguns músicos indianos nas filmagens de Help! (1965), ele resolveu experimentar o instrumento. Comprou um bem barato numa lojinha em Londres e arriscou-se sem manual na posição desconfortável que a cítara exigia. Foi descobrindo as notas e fez de Norwegian Wood a primeira música pop com sabor indiano. Depois, foi "Love You To" de Revolver. E, depois, "Within You Without You", para alguns a melhor faixa do Sgt. Pepper's (1967), para outros a mais deslocada, foi a evolução natural. Com sua melodia sinuosa e conotação filosófica, levava o ouvinte a um breve estado de transe, próximo da meditação transcendental que George tanto praticava.

A ioga, as batas, os incensos e o I-Ching também faziam parte desse novo universo místico de Harrison. Foi quando abriu o livro milenar ao acaso e bateu os olhos na frase "gentle weeps" que teve a inspiração para compor uma de suas melhores canções com os Beatles. A gravação de "While My Guitar Gently Weeps" não foi tão simples, porém. George buscava não apenas a beleza harmônica, mas um tipo de revelação através da música. Havia certo descaso com suas composições, contudo – George era, afinal, o caçula. Insatisfeito com a gravação, ele insistiu com o produtor George Martin e refez a canção do jeito que queria, incluindo a participação tornada mítica do amigo Eric Clapton.

Chant And Be Happy - The London Radha-Krishna Temple

Em abril de 1970, a Apple Records lançou um álbum que trazia canções devocionais vaishnavas (cantadas por devotos de Krishna), produzido por George com o próprio tocando guitarra, baixo e harmônio. Os demais músicos que o acompanham eram os próprios devotos de Krishna do Radha Krishna Temple de Londres. Essas canções devocionais, também conhecidas como bhajans, são cantadas para purificação e realização espiritual. A mais conhecida entre elas é o mantra Hare Krishna (maha-mantra) - Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare, Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare – e são cantadas e tocadas com ritmos e instrumentos indianos.


George Harrison já era um simpatizante do Movimento para a Consciência de Krishna quando conheceu o seu líder, A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada. Mas foi somente em 1969 que a relação entre George e o movimento de Prabhupada se estreitaram ainda mais. George, Paul e Linda McCartney e o baterista Ginger Baker [Cream] juntamente com o Radha Krishna Temple gravaram nos próprios estúdios da Apple uma versão para o maha-mantra "Hare Krishna" e a música "Govinda". Ambas foram lançadas como singles e tocadas a exaustão nas rádios naquela época. Também permaneceram por muito tempo na primeira posição dos charts europeus e asiáticos.
O líder do movimento, Swami Prabhupada, passou a admirar bastante George Harrison. Num dos encontros entre os dois, quando George perguntou a Prabhupada se ele deveria raspar a cabeça e passar a freqüentar um templo Hare Krishna, Prabhupada respondeu que George poderia fazer mais por Krishna se continuasse sua carreira de músico. E depois de ter ajudado os devotos de Krishna a gravar o álbum completo que mais tarde seria conhecido como Chant And Be Happy - The London Radha-Krishna Temple, George gravaria ainda em 1970 o álbum triplo All Things Must Pass que reuniu clássicos de sua carreira-solo.

George Harrison teve uma importância seminal na difusão do Movimento para a Consciência de Krishna no ocidente. Aliás, Bhaktivinoda Thakur, o primeiro mestre a disseminar os ensinamentos da cultura vaishnava, fez uma previsão entre o final do século 19 e começo do século 20, de que um dia o maha-mantra e as canções devocionais de Krishna seriam cantadas em todo o mundo a partir de ritmos e línguas locais. George Harrison foi providencial nesse sentido. Prabhupada, quando ouviu pela primeira vez a versão de George Harrison para "Govinda", caiu em lágrimas e ordenou que a música fosse tocada todas as manhãs em todos os templos Hare Krishna do mundo. Isso é feito até os dias de hoje.
Seja você um devoto vaishnava, fã dos Beatles ou apenas apreciador de boa música com vibrações positivas, Chant And Be Happy - The London Radha-Krishna Temple é um disco que você precisa ouvir. Não é difícil de encontrar para venda e nem para download. Se lhe interessou, dê preferência para a versão canadense do álbum que ainda traz como bônus a faixa "Prayer to the Spiritual Masters" que nada mais é do que o registro de uma conversa entre George, John Lennon e Yoko Ono com o Swami Prabhupada gravada em setembro de 1969 na mansão de Lennon no Tittenhurst Park, na Inglaterra.
Tenho certeza de que, se existe mesmo um céu, um paraíso, e Deus... George está lá. Quanto a John... talvez, ... também. Quem saberá?
Hare Krishna! Hare, Hare!

Link para download do discão:
http://www.badongo.com/file/3312211

sábado, 18 de outubro de 2008

SHE LOVES YOU - UM CLÁSSICO DA MÚSICA POP

Nenhum comentário:

George Martin pressionava os Beatles a produzir material para um novo compacto, de modo a manter a liderança nas paradas. Uma composição iniciada em Newcastle, após um espetáculo no fim de junho, dava a impressão de que poderia satisfazer os requisitos do pedido. Viajando na traseira de uma perua mal iluminada internamente, Paul tinha esboçado um fragmento de letra bastante promissor. Era baseado em uma answering song (música de resposta), segundo Paul, que se recordou de ter ouvido uma gravação de Bobby Rydell em que ele usava o recurso de forma inteligente. Um coro de garotas cantava: "Go, Bobby, go, everything's cool", ao que Rydell respondia: "We all go to a swingin' school". Paul vislumbrou os Beatles fazendo uma coisa parecida. Ele cantaria: "She loves you", enquanto o restante da banda responderia: "Yeah, yeh...yeah", produzindo um efeito meio sem sentido, mas com um gancho musical eficaz. Decidiu levar o projeto a John, que o classificou como "idéia de jerico". Mas achou que a letra tinha futuro. Retornaram então ao quarto no Turk's Hotel, empunharam as guitarras, e em poucas horas tinham elaborado a estrutura da canção.
"She Loves You" foi concluída na noite seguinte, durante um raro dia de folga em Liverpool. Os rapazes trabalharam com afinco nela, em uma pequena sala de jantar, na Forthlin Road, com o pai de Paul sentado a menos de 2 metros, fumando sem parar e assistindo à televisão. A presença dele e o ruído não tinham importância - nada conseguia interromper a concentração de Paul e John. Eles compunham com um sentido de missão, reformulando frases inadequadas, tocando sem parar, aperfeiçoando a métrica até chegar ao ponto certo. Quando acabaram, sabiam que tinham um sucesso nas mãos. A música tinha uma energia positiva que inrrompia nas primeiras notas e culminava em uma bela harmonização vocal, distribuída pelos yeahs. George Martin ouviu-a num ensaio no estúdio, no dia primeiro de julho, e a considerou "brilhante, uma das melhores canções já composta pelos Beatles".
O conjunto trabalhou na música durante os dias que se seguiram, ensinando a George Harrison uma terceira voz, para encorpar o efeito. De volta ao estúdio, com Martin empoleirado em um banco em frente ao piano, eles a repassaram, seguindo um arranjo que John e Paul tinham elaborado para a guitarras. O engenheiro Norman Smith, de pé em frente à mesa de edição, mostrava-se agradavelmente surpreso enquanto ouvia a música. Um pouco antes, ele tinha examinado a letra, que estava em um suporte, e sentira um frio na barriga. Ele contaria mais tarde a Mark Lewisohn: "She loves you, yeah, yeah, yeah, she loves you, yeah, yeah, yeah...aí eu pensei: "ah, meu Deus, que letra! Acho que não vou gostar dessa música".
Na verdade, essa é uma composição com elementos que agradam a gregos e troianos, embora nada atraísse mais quem a ouvia do que a forma de executá-la. Os Beatles cantam "She Loves You" com tanta convicção que, durante a curta duração da música - bem menos dois minutos e meio -, criam um clima não apenas envolvente, mas irressistível. O desempenho dos Beatles nessa música, lhes conferiu uma imagem perfeita e duradoura. Os yeah-yeah-yeahs e os uuuuuuus em falsete (nesse ponto, eles sacudiam a cabeça ao mesmo tempo, arrancando gritinhos extasiados das fãs) se transformaram em ícones. Apesar da evolução de sua música, apesar se suas experiências com texturas musicais e equipamentos eletrônicos complexos, é difícil pensar nos Beatles sem visulizar quatro rapazes sorridentes com cabelos de cuia em sua posição clássica nos palcos - guitarras na parte superior do peito, baquetas com condução nos pratos - cantando: "And you know you should be glad - uuuuuuuu!, e agitando a cabeleira. Nenhuma referência a eles é tão imediata.
Fonte: THE BEATLES - A BIOGRAFIA - BOB SPITZ 

SHE LOVES YOU - UM SUCESSO MATADOR E DEFINITIVO

Nenhum comentário:

"She Loves You" foi uma canção originalmente gravada para ser lançada como um single em 1963 e alcançou a primeira posição nas paradas do Reino Unido no dia 07 de Setembro de 1963. Este compacto de vinil superou muitos recordes, entre eles:
É a canção dos Beatles que mais vendeu até hoje no Reino Unido, entre todas suas composições.
Nos Estados Unidos da America, é uma das cinco canções dos Beatles que lideravam simultaneamente os cinco primeiros lugares nas paradas de sucesso americana - um recorde não-superado até hoje por qualquer outro artista.
Apesar de "I Want to Hold Your hand" ter alcançado o primeiro lugar nas paradas de sucesso dos EUA antes de "She Loves You"(embora esta que foi lançada antes mesmo), foi o re-lançamento de "She Loves You," nos EUA, que tirou "I Want to Hold Your Hand" do primeiro lugar, em 1964, enquanto no Reino Unido "She Loves You" chegou ao número 1 duas vezes.
Foi a primeira vez também que o nome do compositor John Lennon apareceu antes do nome de Paul McCartney no Reino Unido. Até então as músicas de parceria desta dupla apareciam com os créditos de: "McCartney/Lennon."
"She Loves You" é também uma das duas canções dos Beatles que recebeu nome e teve versão em outra língua, especificamente para a Alemanha, "Sie Liebt Dich" (a outra canção "Komm, Gib Mir Deine Hand" (I Want to Hold Your Hand").
A revista Inglesa, Uncut Magazine declarou em outubro de 2005, que "She Loves You" foi a terceira maior canção que mudou o mundo pop, atrás de "Heartbreak Hotel", do cantor-intérprete, Elvis Presley; e, "Like a Rolling Stone," do compositor-poeta, Bob Dylan. Tão só e por causa de sua preeminência nas vendas e pura energia, a canção é considerada por muitos o sucesso definitivo da Beatlemania
.

Senhoras e Senhores: com vocês, THE BEATLES, SHE LOVES YOU!


BALSAS QUERIDA, CIDADE DOS MEUS AMORES...

5 comentários:
Faz 28 anos desde que eu estive em Balsas pela última vez. Tenho muitas saudades de todos os nossos parentes e amigos e espero poder voltar muito em breve. Quando tudo estiver melhor. Se alguém souber a letra da canção do título, me mande... Não lembro inteira. There's a places i remember...


Valeria disse:

Balsas querida

Cidade dos meus amores

Quando estou distante estou chorando

Lembrando também suas cores

Quando estou perto vivo a cantar

Balsas querida

Igual a ti não há

Cidade muito boa

De grandes corações

Foi onde assisti melhores foliões

Balsas, cidade querida

Por ti serei capaz de dar a prórpia vida

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

MEU QUERIDO, MEU VELHO, MEU AMIGO - Roberto Carlos

Nenhum comentário:



Esses seus cabelos brancos, bonitos, esse olhar cansado, profundo
Me dizendo coisas, num grito, me ensinando tanto do mundo...
E esses passos lentos, de agora, caminhando sempre comigo,
Já correram tanto na vida,
Meu querido, meu velho, meu amigo
Sua vida cheia de histórias e essas rugas marcadas pelo tempo,
Lembranças de antigas vitórias ou lágrimas choradas, ao vento...
Sua voz macia me acalma e me diz muito mais do que eu digo
Me calando fundo na alma
Meu querido, meu velho, meu amigo
Seu passado vive presente nas experiências
Contidas nesse coração, consciente da beleza das coisas da vida.
Seu sorriso franco me anima, seu conselho certo me ensina,
Beijo suas mãos e lhe digo
Meu querido, meu velho, meu amigo
Eu já lhe falei de tudo,
Mas tudo isso é pouco
Diante do que sinto...
Olhando seus cabelos, tão bonitos,
Beijo suas mãos e digo
Meu querido, meu velho, meu amigo

Querido Papai: estamos todos torcendo muito! WE LOVE YOU 4 EVER DEMAIS! WE CAN WORK IT OUT!

Edu & Todos os Amigos do Baú

sábado, 11 de outubro de 2008

PAUL IN RIO - 1990 - UMA AVENTURA INESQUECÍVEL!

Um comentário:

Em novembro de 1989, quando soube que Paul McCartney faria 2 shows no maracanã, coloquei em minha cabeça que não perderia por nada. Nas duas semanas que antecederam as datas marcadas para os concertos (19 e 21 de abril de 1990) vivi momentos de grande angústia com muito medo de não ir aos shows. Tentava arrebanhar os amigos, mas todos estávamos quebrados por causa do plano Collor. Consegui convencer meu velho amigo Cacá Soares a embarcar comigo na aventura. Faltando uma semana para os shows, dei minha cartada final. Na época, eu trabalhava numa agência chamada Ratto Propaganda (do grande amigo Ratão). Pois bem, chamei o Ratão para conversar e expliquei que não poderiar perder os shows. Ele disse: tudo bem, Dudu. Tá liberado. Contei que havia um segundo problema: grana! Ele me disse que passasse na administração e fizesse um vale de quanto eu precisava. Beleza. Mas ainda havia um terceiro problema: meu amigo Cacá também trabalhava na mesma agência e o Ratão teria que liberar nós dois! E assim, na noite da quarta-feira, dia 18, embarcamos no ônibus rumo à cidade maravilhosa. O Júnior, irmão do Cacá. morava no Rio e tinha instruções para nos pegar na rodoviária já com nossos ingressos. Como eu sabia que os ingressos eram cartões magnéticos e não seriam devolvidos, pedi que comprasse 2 para mim para o show de sábado. Tenho até hoje! Durante a viagem, só se falava que o Rio estava se acabando em água e que os shows poderiam ser cancelados. De manhã, quando chegamos encontramos o Rio de Janeiro inundado! A chuva não parava um minuto sequer. E logo foi confirmada a notícia do cancelamento do show do dia 19. Adiado para o outro dia. O próprio Paul prometeu que haveriam os shows nos dias 20 e 21 com ou sem chuva. Minha expectativa era enorme e aumentava na medida que o tempo passava.
Às sete horas da noite de sexta-feira, 20 de abril de 1990, debaixo de uma chuva torrencial e água até o meio das canelas, pisamos no gramado do Estádio Mário Filho. Estava chegando a hora! Nossa proteção da chuva eram sacos das casas da banha amarrados na cabeça e uma garrafa de conhaque presidente. Às nove em ponto, as luzes apagaram e Paul McCartney e a banda tomaram todos de assalto! Havia mais de 140.000 pessoas encantadas ali, debaixo de chuva! Depois de quase 3 horas de espetáculo, deixamos o Maracanã. Com as almas literalmente lavadas. Mas o melhor de tudo ainda estava por vir!
Milagrosamente (?) o Rio de Janeiro amanheceu no sábado com o sol incrivelmente radiante e belo! Nem sinal da chuva! Então, muitos passeios, praias, chopes, mais passeios, mais chopes até que novamente (graças a Deus!) chegou a hora de ir ver o Macca no Maraca pela segunda vez! Simplesmente, indescritível o show do dia 21. Ainda havia uma tremenda lua cheia para coroar tudo isso. Obrigado, meu Deus! Este concerto, foi o maior de todos que Paul já fez na vida, tocando para um público recorde de 184.000 pessoas! Eu sabia que haviam dois grandes amigos lá no maracanã naquela noite também. João e Débora. Mas era impossível encontrar. Afinal, a graça já tinha sido alcançada!
Na segunda feira, quando cheguei na agência para trabalhar, escrevi no cartaz PAUL IN RIO que havia atrás da minha prancheta: "EU VI". E fui na copa tomar café. Quando voltei, alguém também tinha escrito: "EU TAMBÉM!". Foi o Cacá! Ah, muleke! Hehe.

Júnior: Obrigado pela acolhida, valeu!
Ratão: Um abração! Nunca esquecerei!
Cacá: O maior abraço do mundo! Forever.
Macca: THANK YOU! YOU'RE THE BEST!
Obbbrrigaaduoarduu Brazzill!!!


Meu amigo Cacá Soares e eu em abril de 1990

Cacá disse:
Valeu Edu!!! Foi mesmo inesquecível, né? Abração!
Edu disse:
Foi. Foi, sim!!!