sexta-feira, 4 de julho de 2014

O QUINTO BEATLE - A HISTÓRIA DE BRIAN EPSTEIN

A graphic novel alcançou grande sucesso no mercado norte-americano, permanecendo quatro semanas consecutivas na lista dos mais vendidos do The New York Times.
George Martin, Pete Best, Stuart Sutcliffe, Derek Taylor, Neil Aspinall. A lista de postulantes ao título vai longe, mas Paul McCartney deixa claro quem verdadeiramente merece tal honraria: “Se existiu um quinto beatle, ele foi Brian Epstein”, decretou sir Paul em um artigo de 1999. A saga do lendário empresário, até então relegada às notas de rodapé, chega às prateleiras brasileiras em O quinto Beatle: A história de Brian Epstein.
Escrita por Vivek J. Tiwary e ilustrada por Andrew C. Robinson e Kyle Baker, a graphic novel foi um grande sucesso no mercado norte-americano, permanecendo quatro semanas consecutivas na lista dos mais vendidos do The New York Times. A história é apresentada de forma romantizada. O próprio autor deixa claro nas notas finais que nem tudo é um retrato fiel da realidade. Isso explica, por exemplo, a presença da personagem fictícia Moxie, assistente pessoal e figura central da narrativa.
O grande mérito de O quinto Beatle é usar algumas das passagens mais conhecidas da biografia dos Beatles como pano de fundo para um mergulho na personalidade de Epstein. Mais do que o responsável por arrumar a bagunça dos garotos rebeldes, Brian foi um visionário homem de negócios, que percebeu nos meninos de Liverpool uma mina de ouro e não mediu esforços para levá-los do porão do pequeno Cavern Club ao “alto mais alto do topo do pop”, como ambicionava John Lennon desde a fundação da banda.
A obstinação de Epstein não cessou nem mesmo quando seus garotos já estavam no topo do mundo. Em vários momentos, Brian tem sua figura comparada a do toureiro, domando obstáculos aparentemente intransponíveis para levar os Beatles cada vez mais longe. Tamanha dedicação ao trabalho, somada a uma turbulenta vida pessoal — especialmente em função de ser homossexual, o que ainda era um crime no Reino Unido dos anos 1960 — levou Epstein ao vício em remédios controlados, o que causaria sua morte precoce, aos 32 anos.
O quinto beatle faz justiça a uma figura essencial na história da música pop, mostrando o quanto os Fab Four eram dependentes de seu empresário. Tanto que foi após a morte que as coisas começaram a degringolar, num espiral de brigas e processos judiciais que levaram a banda à separação. Em breve, a história invadirá as telonas. O roteiro da graphic novel já está sendo adaptado para os cinemas pelo próprio Vivek J. Tiwary. O filme terá direção de Peyton Reed (Separados pelo casamento).

6 comentários:

Edu disse...

Quero a minha já!!!

João Carlos disse...

Vem traduzida?

Edu disse...

Sim! Abração!

Valdir Junior disse...

Interessante ...acho que vou atrás !!!

Murilo Pedreira disse...

Adoro quadrinhos. A coleção de minha infância está guardada até hoje.

Será que Brian tem cacife para ser o o núcleo central?

Fábio Simão disse...

Já vi aqui em Curitiba para vender. Estou muito interessando em comprá-la.