segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

THE BEATLES - TOMORROW NEVER KNOWS - 2014

Como última faixa do álbum, e indicador mais claro do que estava por vir, muitas vezes presume-se que "Tomorrow Never Knows" tenha sido a última faixa gravada para o álbum Revolver, de 1966. Na verdade, foi a primeira. Sem dúvida a composição mais estranha e experimental dos Beatles até então, foi uma tentativa de John de criar em palavras e sons uma faixa-guia adequada à experiência com LSD.
As palavras foram emprestadas, adaptadas e embelezadas do livro The Psychedelic Experience (1964), deTimothy Leary, que, por sua vez, era uma reinterpretação poética do antigo Livro Tibetano dos Mortos.
John recebeu o livro de Barry Miles, que cuidava da Indica Books em Southampton Row e era uma figura influente na cena alternativa britânica nos anos 1960. Ele tinha um acordo com os Beatles de mandar livros, revistas e jornais importantes para mantê-los atualizados.
Leary, conhecido como papa do LSD, havia passado sete meses no Himalaia estudando o budismo tibetano com Lama Govinda. The Psychedelic Experience foi resultado direto dessa fase de estudos. "Eu fazia perguntas ao Lama Govinda e depois tentava traduzir o que ele tinha dito para algo útil para as pessoas. O Livro dos Mortos na verda­de significa o 'Livro dos Mortais', mas é o seu ego, não o seu corpo, que está morrendo. O livro é um clássico. É a Bíblia do budismo tibetano. O conceito do budismo é o vazio e alcançar o vazio - foi o que John captou na música", conta Leary.
As palavras do Livro Tibetano dos Mortos foram escritas para serem pro¬feridas para um moribundo para guiá-lo pelos estados de desilusão que vem com a aproximação da morte. Muitas pessoas viveram a expe¬riência da morte do ego quando tomaram LSD, então as palavras pode¬riam ser empregadas para manter os usuários na linha e protegê-los dos horrores. Acredita-se que John fez uma fita com as palavras de Leary para escutar com fone de ouvido enquanto se drogava em casa. O título provisório da faixa era "TheVoid", tirada da frase de Leary "Beyond the restless flowing electricity of Life is the ultimate reality - the void".66 O título final foi um chavão de Ringo adotado por John porque conferia leveza ao que de outra forma poderia soar como uma jornada desoladora rumo ao nada.
O som da faixa, que consiste em loops de fitas que cada um dos Beatles fez com fade in e fade out, foi surgindo com as experiências de Paul com 'o gravador de sua casa. "Ele tinha um Grundig. E descobriu que moven¬do o cabeçote de apagamento e ativando o loop podia encher a fita com um único ruído. Ficava girando até que a fita não conseguisse mais absorver nada, então ele a trazia e tocava", diz George Martin.
John queria que soasse como um coro de monges tibetanos entoando um cântico do alto de uma montanha. "Ele queria ouvir as palavras, mas não queria se ouvir", conta George Martin. O resultado, que faz parecer que John está cantando no fim de um longo túnel, foi obtido inserindo a voz através de um alto-falante Leslie.
"Tomorrow Never Knows", é uma das maiores viagens psicodélicas já registradas, tamanha a ousadia para a época. A inclusão de uma espécie de mantra em que a sua letra fala sobre desligar a mente é uma alusão direta aos alucinógenos e sensações ligadas ao ácido. O resultado da faixa foi parceria de Lennon que escreveu a letra e idealizou quase totalmente, e do assistente de produção Geoff Emerick que microfonou os instrumentos e conseguiu tirar um efeito interessante da voz de John através de uma façanha com um amplificador, alem de colocar os loops gravados por Paul. Na série de desenhos animados dos Beatles, o episódio em que a música apareceu, foi o mais inovador e teve muitos efeitos “especiais” incríveis para a época. Um comentário muito polêmico foi: "Wow!  A song about LSD on a kid show. Who would have thought? I love this song!”.

Esse vídeozinho que a gente confere agora é muito bacaninha e mostra muitas imagens raras de John Lennon e dos outros Beatles, mas essas imagens já são dos Beatles meses depois. Ok? 

3 comentários:

Edu disse...

Gostei demais de ter feito isso! Esse tipo de postagens acabam comigo e tenho que passar dois dias me recuperando. Tá phoda. Em 4 anos, envelheci 40!

João Carlos disse...

Deu a pleura! Mas valeu a pena! Tá tudo ai!

Valdir Junior disse...

Eita post ducak7 !!!

ADOREI !!!
Uma das musicas dos Beatles mais atemporais de todas !!
Até hoje me espanto e descubro coisas nela !!
Só a bateria do Ringo nela dá um "tratado de ritmo" !!!

Valeu pelo post Edu !!!!