terça-feira, 31 de julho de 2018

THE BEST OF THE BESTS - BADFINGER - NO MATTER WHAT**********


“No Dice”, de 1970, marcou o começo da "era de ouro" muito breve de Badfinger. No final dos anos 60, uma banda dificilmente poderia querer mais do que ser ungida pelos Beatles - e receber um original do próprio Paul McCartney para gravar, mas Badfinger foi bem além do que sua associação com os Fab Four, e mostram isso em "No Dice". Lançado em novembro de 1970, o álbum foi o segundo da banda com o seu novo nome recentemente adotado, tendo abandonado o nome e o conceito anterior "The Iveys", antes de lançar “Magic Christian Music” no início daquele ano.
Primeira banda assinar com a Apple Records, dos Beatles, logo que chegaram, ganharam imediatamente uma cortesia inesperada de seus novos chefes de selo na forma de "Come and Get It", um hit Top 10 escrito e produzido por Paul McCartney, contribuindo para uma onda de comentários que sugeriam que Badfinger eram os aparentes herdeiros musicais dos Beatles. Tolice. Essas comparações começariam a aparecer na banda com o tempo, mas definitivamente funcionaram em favor de Badfinger naquele começo de 1970, quando a dor do rompimento dos Beatles ainda estava crua e a imprensa preocupada em encontrar alguém pronto para carregar o fardo. Ainda assim, embora o som de Badfinger tivesse uma dívida óbvia a seus benfeitores corporativos, eles não estavam acostumados a depender de outros compositores e os próprios escreviam as músicas que logo se tornariam hits.
Com “No Dice”, a chegada do guitarrista Joey Molland, cimentou o que se tornaria a linha de maior sucesso comercial do grupo. Com Molland na banda, o guitarrista Tom Evans mudou para o baixo, provocando uma mudança sonora ainda maior pela adição dos vocais e composições de Molland a uma mistura criativa que já incluía e era liderada pelo guitarrista/compositor Pete Ham e o baterista Mike Gibbins. O resultado foi um álbum que soou substancialmente mais pesado e mais sujo do que o “Magic Christian Music”, que era uma coleção de músicas que colocaram firmemente o som pop dos finados Iveys no passado. "Queríamos ser uma banda de rock mais do que qualquer outra coisa. Não queríamos ser uma banda da Disney. Não queríamos ser os Archies. A maioria dos grandes sucessos naqueles dias eram canções pop - 'Yummy Yummy Yummy' estava acontecendo na época e os fãs do pop eram muito limpos, e os Iveys pegaram essas imagens. Badfinger era diferente", disse Joey Molland anos mais tarde. Badfinger dividiu as tarefas de composição durante as sessões “No Dice”, com cada um dos membros da banda realizando pelo menos uma composição solo na lista de faixas. O guitarrista líder e principal compositor, Pete Ham exerceu indiscutivelmente a mais forte influência no álbum, escrevendo ou co-escrevendo sete das 12 músicas - incluindo seu single top 10 do proto-power pop "No Matter What", assim como a balada comovente "Without You", cuja grandeza arrebatadora mais tarde faria um grande sucesso com Harry Nilsson (e, décadas depois, com Mariah Carey). O novo som provou ser um sucesso imediato entre os fãs, que levaram "No Dice" para o Top 30, adicionando "No Matter What" à crescente série de sucessos da banda. Seguiu-se uma turnê americana de sucesso, sugerindo que Badfinger estava prestes a se tornar o tipo de fenômeno mundial que poderia ter justificado as constantes comparações com os Beatles. No entanto, os problemas apareceriam no horizonte, e isso não apenas ofuscou o resto de sua carreira, mas definiu sua história.
Durante os meses que antecederam o lançamento de "No Dice", o empresário Bill Collins assinou contrato com o gerente de negócios Stan Polley, que revisou as finanças problemáticas de Badfinger ao estabelecer uma corporação do grupo e distribuir salários aos membros da banda - tudo isso soava bem no papel, mas logo se mostrou menos do que vantajoso para todos, menos para Polley. Segundo a biografia escrita por Dan Matovina - “Without You: The Tragic Story of Badfinger”, Polley teria mamado mais de US $ 75.000 ao longo do ano após o lançamento de “No Dice”, enquanto cada um dos membros da banda se contentou com salários e adiantamentos de menos de US $ 10.000Mais problemático, pelo menos no curto prazo, foi o lento deslize da Apple Records, atolada no caos após o rompimento dos Beatles e sob administração de Allen Klein. Uma questão que inicialmente se manifestaria durante as longas sessões do próximo álbum da banda “Straight Up”, de 1971, que, depois de ter as gravações do álbum iniciadas por Geoff Emerick, George Harrison entrou no projeto e passou cerca de um mês no estúdio com a banda antes de abandonar as gravações para se dedicar ao seu “Concert for Bangladesh”. Finalmente, Todd Rundgren foi convocado para um mês de sessões - e embora o resultado final tenha apresentado bom desempenho nas paradas, produzindo singles de sucesso como "Day After Day" e "Baby Blue", as lutas dos bastidores estavam apenas começando.
Em 1973, Badfinger estava fora da Apple, e foi direto para um novo contrato de seis álbuns negociado por Polley com a Warner Bros, que pedia um novo LP a cada seis meses. Enquanto os membros da banda lutavam para cumprir suas obrigações contratuais, o dinheiro continuou a ser um problema grave - o suficiente para que, após o lançamento de seu segundo trabalho para a gravadora, “Wish You Were Here”, de 1974, o braço editorial da Warner abrisse um processo. Com as vendas diminuindo e o dinheiro cada vez mais escasso, os membros do grupo começaram a quebrar sob pressão. Pete Ham brevemente desistiu na véspera de sua turnê de 1974, para retornar três semanas depois; Molland, entretanto, saiu pouco antes do final do ano. Atado em litígios e com pouca esperança de lançar novas músicas em breve - ou qualquer ideia de como se administrar financeiramente, Badfinger permaneceu em estado de estagnação indefesa até a manhã de 24 de abril de 1975, quando o corpo de Pete Ham foi encontrado na garagem da casa onde vivia. Ele se enforcou, decretando o fim do Badfinger original. Houveram algumas reuniões ao longo dos anos, com Molland e Evans se juntando brevemente para gravar um par de álbuns sob a bandeira Badfinger em 1979 e 1981, mas vendas fracas e conflitos internos levaram a um novo fim. Depois de um período em que Molland e Evans excursionaram, ambos com bandas sob o nome de Badfinger,Tom Evans tragicamente, também se enforcou no final de novembro de 1983, lançando uma nova mortalha sobre a história de um grupo cuja história começou com uma promessa tão brilhante e cuja música ainda toca com a urgência que fez de “No Dice” o primeiro do que deveria ter sido uma longa fila de grandes sucessos. Badfinger, não só (mas também), pela sua trágica trajetória é, com certeza, um dos capítulos mais bonitos de toda a história que permeia o universo dos Beatles.

Nenhum comentário: