sábado, 22 de outubro de 2016

PAUL McCARTNEY - BROADSTREET 2016 - SENSACIONAL!

"Give My Regards to Broad Street" é o nome do 13º álbum álbum da carreira solo de Paul McCartney, feito para o filme homônimo realizado em 1984. Descrito como "um álbum difícil de fazer", "Give My Regards to Broad Street" trazia a canção "No more Lonely nights" como carro-chefe, que tornou-se um dos maiores sucessos da carreira de Paul. A faixa contou com a participação especial na guitarra solo de David Gilmour (Pink Floyd).

A maioria das canções do álbum são regravações de músicas de Paul lançadas anteriormente com os Beatles e com os Wings. O álbum com a trilha sonora original do filme foi lançado em 22 de outubro de 1984. O LP incluia 14 faixas, das quais 3 são novas músicas e 11 são músicas antigas com uma nova orquestração. Mais uma vez, Paul pediu a ajuda de vários famosos músicos para gravar este álbum. Entre eles, Ringo Starr, Dave Edmunds, Chris Spedding, Eric Stewart, David Gilmour, John Paul Jones e alguns músicos da banda Toto. George Martin também ajudou, principalmente para gerenciar a nova orquestração das músicas e, naturalmente, para produzir o álbum.
O discaço abre com o megasucesso "No More Lonely Nights", uma das melhores músicas escritas por Paul, e ainda tem "David Gilmour" fazendo o solo. Em seguida vem uma série de covers dos Beatles, a primeira canção é "Good Day Sunshine" do Revolver de 1966, com todos os instrumentos executados por Paul, exceto o piano que é tocado por George Martin. É seguido por "Corridor Music", uma canção instrumental. Em seguida vem "Yesterday" com o apoio de uma orquestra, seguida, sem qualquer interrupção por "Here, There and Everywhere", também do Revolver e Wanderlust, do álbum Tug of War de 1982. "Ballroom Dancing" é habilmente reforçada pela guitarra de Chris Spedding e Dave Edmunds cujo solo são muito impressionantes.

Paul regressa a fase com os Wings com "Silly Love Songs" do álbum "Wings at Speed Sound" de 1976, reforçada por uma forte e poderosa linha de baixo e um ritmo mais jazzy.
"Not Such a Bad Boy", um rockão bem alegre e em ritmo acelerado com Ringo na bateria, e Chris Spedding e Dave Edmunds nas guitarras seguido de "So Bad", do álbum Pipes of Peace de 1983. Ringo na bateria, e Eric Stewart acrescenta sua guitarra. Uma bela performance para esta grande balada. Depois vem a terceira nova composição "No Values", um forte rock realizado por Paul cantando com sua voz áspera. Segue-se duas obras-primas do tempo dos Beatles, "For No One" e "Eleanor Rigby", ambas muito bem orquestradas contando com a contribuição de um quarteto de cordas. "Eleanor Rigby" é diretamente seguida por um instrumental intitulado "Eleanor's Dream", que é uma variação sinfônica do tema.

A próxima faixa é a oportunidade de Paul de rever sua belíssima "The Long And Winding Road". Todos sabem que Paul nunca gostou do trabalho feito por Phil Spector no álbum "Let It Be". Essa nova versão é uma agradável interpretação apoiada por uma grande orquestração e por um excelente solo de saxofone. Há quem ache esta versão, melhor que a original. Eu mesmo!

A última faixa do álbum é uma reprise de "No More Lonely Nights". Este "playout" é tocado com um ritmo mais rápido do que o utilizado para a primeira faixa. É uma versão mais jazzy e dançante que a original. A faixa bônus "Good Night Princess", uma trilha instrumental composta por Paul, foi incluída na trilha sonora na versão CD em seu re-lançamento em 1993 na série The Paul McCartney Collection. Com esta faixa, Paul exibe mais uma vez, o seu gosto pela música dos anos 30 e consegue uma bela composição com orquestração de trompete, sax, clarinete, piano e violino.
"Give My Regards To Broad Street" estrelado por Paul McCartney, Linda McCartney, Ringo Starr, Barbara Bach, Bryan Brown, Ralph Richardson e Tracey Ullman, trata de uma fita demo com novas músicas para o novo álbum de McCartney que desapareceu, sendo que o principal suspeito é um empregado que também não foi mais visto. O filme foi lançado no outono de 1984 e se tornou um grande fiasco. Os críticos cairam de pau! Nem os fãs entenderam bem o que Paul queria com tudo aquilo. O filme não se encaixa nas habituais regras de produção, não tem história real e mais parece um grande videoclipe (e daí?), em vez de uma sequência de fatos estruturados. O grande destaque é a estética das cenas que se tornam altamente agradáveis. Agora, o disco, meu amigo, nota mil!!!

6 comentários:

Valdir Junior disse...

Sempre achei que os "defeitos e erros" do filme Broad Street servem mais para dar uma aura de cult movie. Como bem dito no post, "É um grande video clip".
Já a trilha é impecável.

Edu disse...

Pois é, Val... Só esse vídeo de Eleanor Rigby / Eleanor's Dream já faz tudo valer à pena! Um dos melhores discos da minha vida. Tenho tudo: LPs, CDs, fitas cassetes e VHS. Obrigado, senhor!

Edu disse...

Ô época boa!

Marcelennon disse...

Só "No More Lonely Nights" já vale todo o disco... Mas a versão de "Yesterday" presente aqui é de emocionar qualquer um... Discaço! Obrigatório, como toda a discografia do Paul. "No More Lonely Nights" está entre as minhas 5 canções favoritas do Paul, em carreira solo.

João Carlos disse...

O disco é muito bom. O filme é meio esquisito (tirante os clipes)

Marcio Pereira disse...

Tenho em LP, versões fantásticas. Maca se superou nesse disco.