quarta-feira, 6 de abril de 2016

LINDA McCARTNEY - A VEGETARIANA

Matéria publicada originalmente em 28 de março de 2013.
Em 12 de Março de 1969 Linda e Paul se casaram, “partindo o coração” de toda uma geração de fãs do menino bonito dos Beatles. A esta altura Linda já estava grávida de quase três meses da primeira filha do casal, Mary. Alguns anos mais tarde nasceram os seus outros dois filhos, Stella e James.
Certo dia, casados e com os seus vinte e poucos anos, Linda e Paul estavam comendo carne de cordeiro quando viram dois outros cordeirinhos a pastar num campo. Sem palavras, olharam um para o outro e instantaneamente deixaram aquilo que estavam comendo. Desde então nunca mais voltaram a consumir cadáveres de animais. Foram apelidados de excêntricos, malucos e esquisitos. Ela contou que não houve quase nenhum insulto que não se lhes tivesse sido dirigido, só por terem uma alimentação diferente da maioria das pessoas. Para Linda McCartney o que mais importava além da família era a sua paixão/missão de espalhar a palavra começada por V.
Linda McCartney afirmava que muita gente encarava o vegetarianismo como uma espécie de culto místico sem qualquer fundamento, como se os vegetarianos não fossem muito bons da cabeça. E que basta sair um pouco fora dos limites do convencional e é melhor estar preparado para ouvir certas coisas, porque as pessoas gostam de um certo nível de conforto e tudo o que implica mudança é sempre visto como um desafio. Mas algum tempo mais tarde as provocações começaram a cessar e as pessoas passaram a ouvir os “maluquinhos” dos vegetarianos com algumas bases científicas, medicinais e econômicas. Finalmente, tomaram algum interesse por esta filosofia de vida e os discípulos do tradicionalismo começaram então a ver que ser vegetariano fazia sentido.
Linda foi uma pessoa que esteve sempre atenta com tudo o que estivesse relacionado com o vegetarianismo, e como tal estava a par de todas as investigações e estudos médicos realizados nessa direção; estava igualmente a par dos passos ambientalistas mais significantes e fazia o possível para os apoiar. Vegetariana e amante fervorosa dos animais, Linda contribuiu bastante para ajudar as causas “Lynx - organização britânica anti-peles” e a “PETA” (People For The Ethical Treatment of Animals). Também trabalhou extensivamente para o “The Council For The Protection of Rural England” (Concelho de Proteção da Inglaterra Rural) e para o “Friends Of The Earth” (Amigos da Terra), de modo a alertar para os perigos ambientais.
A coragem que demonstrou ao lutar pelo vegetarianismo e pelo bem-estar dos animais foi inacreditável. Poucas mulheres se encarregariam, sozinhas, de enfrentar inimigos como os produtores de carne e de gado, arriscando a serem ridicularizadas, e mesmo assim não desistindo. Quem não teve o privilégio de a conhecer bem, por ser uma pessoa muito privada, apenas conseguiu ver a ponta do iceberg. Para Paul McCartney ela era a mulher mais amável e inocente que ele alguma vez conheceu e teve a honra de ser seu amigo e amante durante 30 anos.
Todos os animais eram para Linda personagens da Disney, merecedores de muito amor e respeito. Era uma mulher muito corajosa e nunca se importou com aquilo que os outros poderiam achar ou dizer dela. Linda nunca se deixou impressionar pelo fato de ser a “Lady McCartney”. Quando alguém lhe perguntava se as pessoas a tratavam por Lady McCartney, ela sempre dizia “alguém uma vez o fez - penso eu”. Em 1989 Linda publicou o seu próprio guia de cozinha vegetariana - Linda McCartney’s Home Cooking. O livro tornou-se um best-seller entre os de culinária vegetariana, tanto no Reino Unido como nos Estados Unidos; com mais de 250.000 cópias vendidas.
Desde a publicação do seu primeiro livro, Linda tornou-se mais focada por parte da imprensa e mídia, as quais a consideraram a mais importante personalidade vegetariana do Reino Unido. Na Primavera de 1991, Linda lançou o seu próprio negócio de refeições vegetarianas (rápidas de preparar); o qual se tornou num grande sucesso no Reino Unido – com cerca de 5 milhões de refeições consumidas até setembro de 91. O negócio de comida vegetariana de Linda McCartney foi tão bem sucedido no Reino Unido que as suas refeições são hoje em dia parte do menu do muito famoso “Hard Rock Cafe” de Londres. Linda mudou sem dúvida a imagem do vegetarianismo, introduzindo a comida vegetariana em supermercados e desenvolvendo produtos vegetarianos que tanto eram apreciados tanto por vegetarianos como por omnívoros.
Sempre que podia, Linda fazia uma declaração ao mundo acerca do vegetarianismo. Chegou mesmo a dar a voz num episódio dos Simpsons, com a condição de que a personagem Lisa se tornasse uma vegetariana fervorosa, com a ajuda de Linda e Paul McCartney. Ela tinha tudo: uma família vegetariana feliz, um negócio de comida vegetariana de 50 milhões de dólares, 3 livros de culinária dos quais era autora e dinheiro para mandar para a Bósnia juntamente com 1 milhão de refeições vegetarianas. Mas mesmo assim não conseguia descansar totalmente à noite. Uma vez afirmou publicamente que à noite pensava em todos os animais sujeitos a serem massacrados e assassinados e não conseguia dormir.
Linda influenciou os restantes Beatles para que não voltassem a comer cadáveres de animais. Juntamente com Paul participou em campanhas para promover o vegetarianismo durante 25 anos, desde o dia em que pararam de comer animais mortos. Para Linda o vegetarianismo era uma missão, e como tal apelava às pessoas para se tornarem vegetarianas e influenciarem outras a tornarem-se também. Em 1998, alguns meses antes do seu falecimento, Linda decidiu patrocinar uma equipe de ciclismo com o nome "Linda McCartney`s On Tour Pro Cycle Team". A dieta dos ciclistas baseava-se em produtos vegetarianos (naturalmente, da marca McCartney`s). A equipe desfez-se em janeiro de 2001. Mas durante os seus três anos de existência participou na maioria das corridas europeias, e inclusive em outros campeonatos importantes como o Jacob`s Creek Tour de Austrália, obtendo importantes classificações.
Quando Linda McCartney morreu, em 17 de Abril de 1998, deixou uma verdadeira e profunda dor em Paul McCartney e ao resto da sua família. Os dois anos anteriores que passaram a lutar contra a o doença de Linda (câncer de mama) foram um pesadelo. Paul McCartney disse que Linda foi e sempre será o amor da sua vida. Linda pediu a Paul para cuidar bem dos seus filhos, pois o seu maior desejo era que eles crescessem e se tornassem pessoas bondosas, o que aconteceu!
Em honra a uma contribuição muito significativa que Linda havia feito pela causa vegetariana, a União Vegetariana Internacional premiou-a com o Troféu Mankar em dezembro de 1999. Sir Paul McCartney, aceitou orgulhosamente o troféu original, juntamente com a réplica com a qual viria a ficar. Linda McCartney foi autora de 3 livros de cozinha vegetariana, a partir dos quais introduziu no mercado uma linha de refeições vegetarianas congeladas. Escreveu vários artigos para diversas revistas, acerca dos seus princípios vegetarianos, foi fotógrafa, ativista na defesa dos direitos dos animais, esposa de Paul McCartney e uma mãe extremamente dedicada e carinhosa. Além de uma mulher extremamente corajosa!

4 comentários:

João Carlos disse...

O vegetarianismo militante de Linda e Paul nunca me soou chato. Era algo realmente assimilado, introjetado.

Valdir Junior disse...

Morro de vontade de experimentar essas receitas veganas dos McCartneys.

Ângela Balzan disse...

Quando eu era criança vivia ouvindo do quanto era o sonho de toda fã solteira dos Beatles casar-se com Paul McCartney, até que Linda deu fim a isso.

Ângela Balzan disse...

Admirava o amor que eles tinham pelos animais. Stella assimilou essa filosofia em seu trabalho, defendendo o boicote ao uso de peles.