terça-feira, 14 de março de 2017

JOHN LENNON E A CONFUSÃO NO TROUBADOUR CLUB


Na noite de 12 março de 1974, John Lennon e seu amiguinho mala Harry Nilson, drogados e mortos de bêbados, iniciaram uma grande confusão no Troubadour Club, em Los Angeles, quando John Lennon, completamente transfigurado começou a insultar os Smothers Brothers. Sobre esse episódio bizarro, a gente confere aqui o texto da ‘Coluna do Beatlelado’ – do site The Beatles College – sobre o que aconteceu naquela fatídica noite.
Quando John Lennon se separou de Yoko e mudou-se para Los Angeles, em outubro de 1973, uma sucessão de escândalos começou a cercá-lo. Rumores davam conta de que enquanto morou vizinho aos “maluquetes” Harry Nilsson e Keith Moon, John destruiu mobiliário, brigou em algumas casas noturnas, apareceu completamente bêbado para um encontro com Jerry Lee Lewis, saqueou um Kotex (absorvente higiênico feminino) do restaurante ‘Lost in Larrabee’ e colocou na testa quando foi ao Troubadour, desenhou pornografia em paredes e se meteu em pancadarias com alguns fãs e dizem que chegou até a ser amarrado para não bater na sua então companheira May Pang. Uma dessas confusões foi registrada pela imprensa americana que já o seguia de perto: o “barraco” no Troubadour Club.Imagem relacionada
Na noite de 12 de março de 1974, John, May Pang e Harry Nilsson foram ver os comediantes Smothers Brothers, que iniciavam uma temporada de “retorno aos palcos” naquela casa noturna. Era uma ocasião especial, com a presença de várias celebridades de Hollywood, gente como Paul Newman, Joanne Woodward, Helen Reddy e Peter Lawford. Até a famosa atriz de ‘Garganta Profunda’, Linda Lovelace estava naquela noite no Troubadour Club. Lennon já havia aprontado duas semanas antes naquele nightclub, mas sem incidentes maiores e foi convidado a se retirar. John chegou de estômago vazio e começou a beber como água o traiçoeiro e refrescante Brandy Alexander (um coquetel de conhaque misturado com leite, creme de cacau, noz moscada e gelo). Após a meia-noite, durante a espera pelo início do espetáculo, já bebadaço, começou a cantar bem alto junto com Nilsson ‘I Can’t Stand the Rain’. Quando os dois Smothers Brothers apareceram no palco, John começou a vociferar palavrões dirigidos a Dickie Smothers (John gostava de Tommy, mas não de Dickie). A garçonete pediu calma e foi xingada por Lennon. O ator Peter Lawford que estava sentado perto do trio, na área Vip, chamou a gerência da casa e solicitou providências no sentido de acalmar John. De nada adiantou, Lennon estava endiabrado turbinado pelo álcool e continuava a falar alto atrapalhando o show dos irmãos Smothers. Tommy interrompeu o show e pelo microfone disse a John: “Existe uma linha tênue entre o mau gosto e a vulgaridade e você a ultrapassou”.O empresário dos comediantes, Ken Fritz, aproximou-se e começou a discutir furiosamente com Lennon, agarrou-o pela gola, mas foi golpeado no rosto pelo ex-beatle. John ainda atirou seu óculos na direção de Ken, mas errou o alvo. Imediatamente cinco seguranças apareceram e John, May e Harry Nilsson foram colocados para fora. A confusão continuou do lado de fora, o pior de tudo registrado por câmeras. John agarrou-se com um manobrista do estacionamento e lutou com ele até caírem, mas recebeu um olhar do tipo “perplexo” do pobre coitado que a raiva de Lennon se evaporou. Dois outros espectadores alegaram posteriormente que o ex-beatle os tinha atacado: uma recepcionista do clube e uma fotógrafa chamada Brenda Parkins. John teve que fazer alguns acordos extrajudiciais para que não virasse um caso de polícia e comprometesse seu processo de obtenção do Green Card nos EUA. O próprio dono do Troubadour disse à imprensa naquela madrugada que estava pensando seriamente ingressar na justiça para impedir nova entrada de Lennon naquele nightclub. No dia seguinte, John e Harry mandaram flores e um bilhete de desculpas aos Smothers Brothers, que divulgaram uma declaração diplomática dizendo que “foi em parte nossa culpa”.
May Pang, mais tarde falaria sobre o incidente: “Eu percebi que eu teria que trabalhar muito para limpá-lo. Havia más influências por perto e, às vezes, sentia que estava perdendo a batalha. Mas no fundo era um cara muito carinhoso. A bebida estava lhe drenando emocionalmente, e aquela noite foi o pior exemplo disso.”
O famoso “fim de semana perdido” em certos momentos como esse aqui relatado, mostra que o lado turbulento de John aflorou novamente e nem tudo correu às mil maravilhas naquele período sem Yoko por perto.

2 comentários:

João Carlos disse...

O que faltou o barbudão fazer?

Valdir Junior disse...

Imagina um "barraco" desse nos dias de hoje. Os paparazzi iriam fazer a festa.