quarta-feira, 26 de abril de 2017

JULIAN LENNON NO BRASIL - ENTREVISTA


Julian Lennon – filho mais velho de John Lennon com Cynthia Powell, sua primeira mulher – está no Brasil para abrir duas exposições fotográficas, hoje, na Leica Gallery, em Higienópolis. Além de músico, fotógrafo e produtor, Julian também apoia a filantropia. É fundador da White Feather Foundation, que luta por diversas causas, como levar água potável a regiões secas, proteção à cultura indígena, educação para as mulheres e preservação do meio ambiente. Por esse trabalho, ele será um dos homenageados do amfAR deste ano, que acontece amanhã, na casa de Dinho Diniz. Pelo modo como respondeu às perguntas da coluna, enviadas por e-mail, o fotógrafo deixou claro que é de poucas palavras. Questionado sobre a conturbada relação que teve com o pai, enquanto este era vivo, Julian deixou claro que isso faz parte de seu passado. “Sinto muito, mas aos 54 anos já respondi a estas perguntas um milhão de vezes. Você pode encontrar todas as informações sobre minha vida no meu site pessoal. Vivo o aqui e agora. Não vivo do passado e nem quero revisitar o que já passou”. A seguir, trechos da conversa.

Você é cantor, compositor, produtor, fotógrafo, filantropo e músico. Acha que a arte é algo hereditário? Acredito que todos nós somos artistas de alguma forma. A arte é algo que ajuda a nos encontrarmos. Acredito mesmo que ela nasce de nossos próprios desejos.
Como surgiu seu interesse pela fotografia? Ele veio através de um amigo que é um grande fotógrafo de celebridades, Timothy White. Ele viu minhas imagens e sugeriu que eu fizesse uma exposição. Passamos um ano editando as fotos e depois montei minha primeira mostra, que abri em Nova York, em 2010. O resto é história.
O que prefere hoje: fotografar ou cantar? Gosto de todos os aspectos criativos. Não acho que devemos escolher um específico.
Esta é a primeira vez que você visita o Brasil? Já estive aqui há alguns anos, acompanhando uma turnê da banda U2.
Gosta de música brasileira? Pelo pouco que sei, sim.
Além de estar aqui para suas exposições, amanhã você será um dos homenageados do amfAR. Como é essa sua ligação com filantropia e quais as causas que apoia?Tenho uma fundação, a White Feather, na qual nossa maior missão é a conservação da vida. Abraçamos questões ambientais e humanitárias em conjunto com parceiros de todo o mundo e ajudamos a angariar fundos para essas causas. Procuro maneiras de tornar o mundo mais sensível e equilibrado. Uma pena branca tem um grande significado para mim, então foi natural nomear a minha fundação com esse nome.
Mas quais são as causas que a fundação apoia? Ela foi concebida por muitas razões, mas o que mais me motivou foi o desejo de fazer o bem e dar de volta. No nosso site há uma longa lista de organizações nas quais a fundação acredita firmemente. É um pequeno passo para ajudar os outros e fazer a diferença.
Tem interesse em desenvolver um trabalho filantrópico no Brasil? Não há planos imediatos para isso, embora não signifique que não possa vir a acontecer em algum momento.
Você já deu inúmeras entrevistas sobre o relacionamento não tão amigável que mantinha com seu pai, John Lennon. Como foi crescer sendo filho de um beatle? Sinto muito, mas aos 54 anos já respondi a estas perguntas um milhão de vezes. Você pode facilmente encontrar todas as informações no meu site pessoal. Não estou aqui para refletir sobre essas questões mais. Tenho uma vida cheia, produtiva, bonita. Vivo o aqui e agora. Não vivo do passado e nem quero revisitar o que já passou outra vez. 

3 comentários:

Edu disse...

Chupa repórter cretina!!!

Benilson Silva disse...

Perguntinha idiota... uma resposta imbecil... nada mal.

Valdir Junior disse...

Tem gente que perde a chance de ficar com a boca fechada.