segunda-feira, 1 de junho de 2015

SIN CITY - A CIDADE DO PECADO


Colecionador da série policial em quadrinhos Sin City desde 1992, quando o primeiro volume da série policial chegou às lojas, o prolífico Robert Rodriguez empolgou-se em realizar um longa-metragem baseado na obra. Doze anos se passaram até que ele finalmente encontrasse o tempo e os recursos necessários para fazê-lo. No entanto, havia uma problema... Frank Miller, o consagrado quadrinhista criador desta e de tantas outras HQs que mudaram a cara da nona arte nas décadas de 1980 e 90, não tinha intenção de vender os direitos para transformar sua obra autoral em filme.

Rodriguez, felizmente, não se deu por vencido. Preparou por conta própria um curta-metragem com Josh Hartnett no papel principal e apresentou-o a Miller. As opções apresentadas ao quadrinhista pelo cineasta foram bastante simples: se ele gostasse do que viu, os dois fariam o filme juntos. Do contrário, o criador teria um curta bacana pra mostrar para os amigos. O vídeo tinha três minutos de duração. Quando cheguei ao final do primeiro minuto, parei e disse o que quer que venha depois disso, pode contar comigo, comentou empolgado Miller em entrevista à revista Empire.

E o roteirista e ilustrador de Batman: O Cavaleiro das Trevas tinha razão para lançar-se no projeto tão apaixonadamente. O que ele viu era prova suficiente de queSin City, HQ noir ilustrada em alto contraste, sem tons de cinza, podia sim ser adaptada para o cinema. Com o aval do mestre, Rodriguez deixou a Associação dos Diretores da América (eles não permitem co-direções quando os cineastas já têm nomes estabelecidos) e além de co-dirigir, como já virou mania em seus filmes, ele também montou, produziu, compôs parte da trilha, editou sons, supervisionou efeitos especiais, dirigiu a fotografia e até operou câmeras da adaptação.

A história do filme combina três volumes da série - The Hard Goodbye, The Big Fat Kill e That Yellow Bastard - mais uma introdução. Cada uma traz em seu elenco nomes invejáveis de Hollywood. A primeira, sem dúvida a melhor, coloca o desacreditado Mickey Rourke de volta ao mundo dos vivos na Meca do Cinema. Sua dramática e dinâmica interpretação do durão tanque de guerra Marv, um truculento ex-criminoso em busca de vingança pela morte de uma prostituta, é tão memorável quanto a noite de amor que ele piedosamente recebe da profissional.

The big fat kill, a segunda, é a mais engraçada, mas também a menos empolgante. Ela trata de uma guerra entre policiais corruptos e as prostitutas da Cidade Velha de Sin City, donas de seu próprio pedaço e de um arsenal capaz de fazer cair o queixo de qualquer chefe de morro carioca. No centro desse confronto estão Jackie Boy(Benicio Del Toro, engraçadíssimo), Dwight (Clive Owen, com a competência habitual) e a chefe das amantes de aluguel, Gail (Rosario Dawson). Apesar dos diretores afirmarem que o tiroteio final foi propositalmente feito de forma cartunesca - com os personagens parecendo figuras recortadas diante do cenário 3-D -, a impressão é de que, nesta seqüência, eles erraram a mão. Mas eles têm crédito. Principalmente porque fica neste segmento a divertida cena filmada por Quentin Tarantino em que Dwight e o cadáver de Jackie Boy dirigem por uma rodovia enquanto travam um diálogo bizarro.

Dividida em duas partes, That Yellow Bastard é a mais violenta das três. A história traz Bruce Willis como Hartigan, um detetive durão (ok, vc já entendeu... TODOS os anti-heróis de Sin City são durões), que passa oito anos numa prisão infernal depois de impedir que o filho pedófilo de um influente político local faça mais uma vítima. Muito falou-se também sobre a participação da sexy (se existisse um superlativo para sexy essa palavra caberia perfeitamente aqui) Jessica Alba como a pequena Nancy Callahan. A falação é justificada. A linda atriz de traços latinos vive uma striper que só não mata ninguém do coração na platéia porque não tira a roupa (ela disse que ficaria desconfortável ficando nua no filme).

Sensual, cruel e engraçado, Sin City beira a perfeição. A atmosfera noir - o submundo de uma cidade corrupta, onde transitam vigaristas, assassinos, vigilantes e mulheres fatais - só se perde no já citado segmento descontrolado The Big Fat Kill. Se Miller e Rodriguez tivessem deixado apenas a introdução e os dois outros capítulos fossem levemente ampliados (um deles, The Yellow Bastard, foi também o que sofreu mais cortes na montagem), talvez o longa poderia ter ficado irretocável. De qualquer forma, o DVD permitirá que os três momentos sejam conferidos separadamente, o que deve tirar um pouco da má impressão do capítulo inferior aos demais. Mas com ou sem ele, Sin City é uma tremenda experiência visual. Aguardamos ansiosamente o segundo! Fonte: Omelete http://omelete.uol.com.br/ . E como sempre é de costume, somente aqui no Baú dos Beatles e da cultura pop, a gente confere o trailer e, ainda, para quem quiser, o filme inteirinho na íntegra dublado em português. Abração! Não esqueçam que os comentários agora são lá em cima.

3 comentários:

João Carlos disse...

Eu só queria entender a razão peça qual o cinema adotou (a a TV do BR também) a mania de os atores SUSSURRAREM ao invés de apenas FALAR normalmente como todo mundo. Mas esse filme foi realmente glorioso. E o post está no grau!

Valdir Junior disse...

Acreditem, ainda não assisti esse filme. Tem um monte ainda na fila. Mas o post esta primoroso.

Edu disse...

Quem não viu, não sabe o que está perdendo!