sexta-feira, 5 de junho de 2015

TOMMY EVANS BADFINGER - 1947 / 1983

Thomas Evans nasceu em Liverpool, no dia 5 de junho de 1947. Se vivo estivesse, estaria completando hoje 68 anos. Mais conhecido como Tom Evans, ou Tommy Evans, ele foi um músico e baixista inglês, membro-fundador da banda de rock britânica Badfinger.
Tom começou a carreira aos 15 anos com uma banda de Liverpool chamada ‘The Calderstones’. Fazia a voz principal e tocava guitarra ritmIca e tinha uma grande influência da dupla The Everly Brothers. Em 1967, Pete Ham o convidou para se juntar ao grupo The Iveys. A partir desse momento nasceu uma grande amizade e uma grande parceria musical.
Com seu novo grupo mudou-se para Londres. Evans era um compositor muito bom e ajudou muito nas harmonias da banda. Em 1968, The Iveys assinam contrato com a Apple Records, a gravadora dos Beatles e lançam sua primeira canção, Maybe Tomorrow, em 1969. O LP de mesmo nome é lançado no mesmo ano.
Para não serem confundidos com outra banda de nome parecido, mudaram o nome do para Badfinger. O então Beatle Paul McCartney entregou-lhes a música ‘Come and Get It’, que faria parte da trilha sonora do filme The Magic Christian (no Brasil, "Um Beatle no paraíso"). Evans foi o escolhido para fazer a voz principal da canção, que ficou entre as 10 mais pedidas na parada da revista Billboard.
Evans é o co-autor - junto com Pete Ham - do sucesso ‘No Matter What’ e, principalmente, do maior sucesso do Badfinger, a canção "Without You", que teve inúmeras regravações (dentre elas de artistas do calibre de Harry Nilsson, Paul Anka, Air Supply e Mariah Carey). Nessa época Evans ainda teve participação na gravação do disco Imagine, do ex-Beatle John Lennon e, junto com Pete Ham, também participou das gravações dos discos dos também ex-Beatles George Harrison (All Things Must Pass e The Concert for Bangladesh) e Ringo Starr (It Don't Come Easy).
Em 1970, Stan Polley assumiu como empresário do grupo. Polley tinha muito mais experiência do que o empresário anterior Bill Collins. Apesar disso, a banda gostava muito de Collins e tentou fazer com que continuasse gerenciando parte dos negócios, mas Collins não aceitou. Polley reorganizou as finanças da banda e supostamente estava garantindo o futuro deles mas, no final das contas, eles não viram a cor do dinheiro. Nessa época a banda começou a viver com esposas, filhos e namoradas em uma casa, em comunidade, vivendo com uma mesada bem curta dada por Polley. Segundo o empresário, o grosso do dinheiro seria investido em equipamentos e na divulgação da banda e isso justificava a curta mesada. Tom, Joey Molland e Mike Gibbins - os outros membros da banda - fizeram severas críticas a Stan por isso. Porém, Pete Ham tinha total confiança em Polley e tudo ficou por isso mesmo.

Em 24 de abril de 1975, Pete Ham comete suicídio por enforcamento. O suicídio de Ham deveu-se a embrólios financeiros com a gravadora da banda e que culminou com a fuga do empresário Stan Polley com todo o dinheiro do grupo. Sentindo-se culpado pela situação em a banda e sua família acabaram se envolvendo, Ham matou-se. O episódio abalou todo o Badfinger e, particularmente, Evans.

Com a morte de Ham o Badfinger termina e Evans e Bob Jackson (que entrou no lugar de Ham) montaram o The Dodgers e o outro membro do Badfinger, Joey Molland, estava com o seu Natural Gas, que foi a banda de apoio de Peter Frampton. Em 1979, a gravadora Elektra contratou Molland e Evans exigindo que eles utilizassem o nome Badfinger, independentemente da banda que eles viessem a montar.

Lançaram o disco Airwaves que, apesar de canções como “Lost Inside Your Love”, “Sail Away” e “Love is Gonna Come at Last”, não foi bem nas paradas. Saíram em tournê com a ajuda de músicos como Tony Kaye (Yes), mas não conseguiram o sucesso esperado. Em 1981, ainda com Kaye na banda, lançaram “Say No More”.

Apesar de “Hold On” ter entrado no top 50, o disco não decolou e nem chegou a ser realizada uma tour para sua promoção. A instabilidade entre Molland e Evans apressou o final do "novo" Badfinger. Fortes desentendimentos entre os dois amigos fizeram com que cada um montasse seu próprio Badfinger. Joey procurou o sindicato e conseguiu impedir Evans de usar o nome da banda que ele próprio havia criado. Os dois se encontraram pouco tempo depois e novamente entraram em forte atrito, pois Evans alegou ter assumido diversos compromissos e de ter vários contratos assinados que exigiam que ele se apresentasse como Badfinger. Joey não deu atenção a Evans, porém mal sabia que aquela seria a última vez que iria ver ou conversar com o antigo amigo e companheiro de banda.

Em 19 de novembro de 1983 Tom Evans, em profundo estado de depressão, também cometeu suicídio, como seu amigo Pete Ham havia feito anos atrás, enforcando-se no quintal de sua casa. Seu corpo foi cremado.

10 comentários:

Edu disse...

Sou fã incondicional de Badfinger! Graças a Deus, tenho todos os discos dessa banda maravilhosa e das carreiras solo em LPs, CDs, cassetes e o escambau. Não dou, não troco, não vendo e não empresto! E no dia que tiver que ser o fim desse Baú do Edu, podem ter certeza que a última postagem será de Badfinger. BADFINGER BOOGIE FOREVER!

João Carlos disse...

Melhor que ótimo. Uma pena que tenham chegado ao fim de forma tão dramática e melancólica. Também sou fã incondicional e de primeira audiência.

André Felipe disse...

Olá Edu. Sempre passo por aqui mas essa é a primeira vez que comento. Como pode alguém que diz que conhece e gosta dos Beatles, gostar mais de outra banda? Paradoxo, não?

Marcelennon disse...

Tive a oportunidade de ouvir Badfinger pela primeira vez com "Maybe Tomorrow". Foi paixão instantânea!!! Depois que ouvi "Day After Day" e "No Matter What", então, decidi que teria todos os álbuns desta banda FANTÁSTICA! E não me arrependo!
Me perdoe, André Felipe, minha modesta opinião, mas não vejo paradoxo. Minha banda favorita sempre foi os Beatles... Mas sou louco por causa dos Bee Gees também, principalmente a fase até o álbum "Living Eyes" de 1981! E dos Rolling Stones (fase 1968 - 1972) também! E dos Beach Boys também! E poderia escrever muitos outros "também" aqui: Simon and Garfunkel, Bob Dylan, Creedence, Neil Young, Neil Diamond, Elton John, etc, etc, etc...
O rock é bacana por causa disso... gera sempre controvérsia... kkkkkk
Um abraço Beatlemaníaco à todos!

Marcelennon disse...

Edu, bom dia! Fantástica postagem... Em meu comentário anterior, disse que poderia acrescentar muitos "também" à minha lista de bandas favoritas e cantores favoritos... Não dá pra fazer um post, como estes sensacionais que você faz, sobre o álbum "Construção" do Chico Buarque? Sabe, sinto dele não ser roqueiro, apesar que ele tinha um pé lá: atitude, canções como "Deus Lhe Pague", "Jorge Maravilha", "Agora Falando Sério", "Cálice"... São tantas que não dá nem pra enumerar... Sempre digo que o Chico Buarque é o nosso John Lennon!!!
Perdoe-me pela sugestão, mas acesso diariamente o seu blog (tenho-o marcado nos "meus favoritos") e sou fã dos teus posts! Como sou fã incondicional do Chico Buarque, adoraria vê-lo por aqui!
Um abração Beatlemaníaco!

Fábio Simão disse...

Cada vez mais aprendendo sobre esta banda.

Edu disse...

Hey Marcelennon! Obrigado pelas participações. Infelizmente, o Chico Buarque não nada na minha praia (ou eu não nado na praia dele). Sei bem do seu valor e tenho respeito. Mas a minha lista é cheia. Que tal fazermos o seguinte: você prepara a postagem com um texto bacana e enxuto, anexa as fotos e o vídeo e manda para eduardobadfinger@gmail.com . Se ficar legal, prometo que publico! Capriche. O Francisco merece! Só "Vai passar" já faz valer à pena. Abração em todos!

Valdir Junior disse...

Me comove e muito toda a historia do Badfinger. Principalmente os atos desesperados do Pete Ham e do Tommy. Uma justiça tardia que o Badfinger merece era ser lembrado e tocado, todo santo dia, por todos aqueles que gostam de boa musica. Badfiger Booguie Forever !!!!

Anônimo disse...

Olá,boa noite! Antes de tudo queria parabenizar pelas matérias bem escritas ,e aproveitar pra pedir im super HELP! ,(quem puder ajudar,agradeço pacas!),para conseguir a letra da música Just look inside the cover,escrita nada mais nada menos do que Peter Ham. Já procurei muuuuiiito na internet e não acho por nada! Infelizmente! A música tem uma melodia maravilhosa e é impossível lhe ficar indiferente. Espero obter ajuda aqui,mas se eu não conseguir,ok.
Boa semana Rock&Roll pra todos. ;)
*Lene-Rj*

TEREZINHA disse...

Ouvia muito na rádio Jornal do Brasil, mas não tinha noção do seu fim tão lamentável. Isso prova que além da música, da arte o artista tem que ficar de olho no gerenciamento do seu trabalho. Muita gente boa já entrou pelo cano com esses pseudo empresários. Uma pena !