segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

TONY BARROW - O CRIADOR DO TERMO “FAB FOUR”

Resultado de imagem para TONY BARROW
Tony Barrow foi o primeiro assessorde imprensa e publicitário dos Beatles. Foi ele que cunhou o indelével apelido “Fab Four” (os quatro fabulosos) e ajudou a configurar a visão que o mundo tinha dos Beatles, morreu aos 80 anos de idade no dia  14 de maio de 2016, em Morecambe, na Inglaterra.
Barrow começou a carreira como escritor quando tinha 17 anos, fazendo resenhas de discos sob o nome “Disker” no The Liverpool Echo. Em dezembro de 1961, Brian Epstein o abordou e pediu a ele que mencionasse um grupo de fama crescente, chamado Beatles, em sua coluna “Off the Record”. Na ocasião, Barrow recusou o pedido porque a banda não tinha nenhum material gravado à época. Depois, Epstein deu a ele uma gravação de baixa qualidade da banda tocando ao vivo e Barrow arranjou a famosa audição dos Beatles com a gravadora Decca. Depois de os Beatles assinarem com a subsidiária da EMI, a Parlophone, em 1962, Barrow se tornou assessor de imprensa e publicitário de uma nova companhia, a NEMS Eterprises. Com sólida formação em jornalismo musical, Barrow distribuiu os releases de imprensa aos antigos companheiros.The Beatles pop group, during rehearsals in 1963.
Em um comunicado, ele disse que os Beatles eram o “Fab Four”. Barrow também escreveu notas de rodapé para os primeiros álbuns e EPs dos Beatles na Inglaterra. Ele convenceu a banda a gravar um disco natalino para ser enviado a integrantes do fã clube. Paul McCartney até pediu a Barrow para gravar o show derradeiro da banda, no Candlestick Park, em São Francisco (nos EUA), em 29 de agosto de 1966. Ainda que o registro nunca tenha sido lançado oficialmente, ele já foi vastamente distribuído em bootlegs.Resultado de imagem para tony barrow and beatles
Barrow e os Beatles eventualmente pararam de trabalhar juntos, após a morte de Epstein, em 1967. O quarteto de Liverpool depois fundou a própria companhia, a Apple, e Barrow depois deixou a NEMS para começar a própria companhia publicitária, a Tony Barrow International (posteriormente Tony Barrow International Management). Antes de deixar a profissão de lado em 1980 – quando voltou a escrever e editar –, Barrow representou diversos artistas da MCA Records, além de The Kinks e Bee Gees. Em 2005, ele publicou um livro de memórias relacionadas ao tempo dele com os Beatles, chamado John, Paul, George, Ringo & Me: The Real Beatles Story.
Na contracapa do LP "A Hard Day's Night" - "Os Reis do Iê, Iê, Iê", no Brasil - assim como no "Please Please Me" e "With The Beatles", há um texto bacana de apresentação do disco ao mundo escrito por Tony Barrow. Vamos conferir?
Alun Owen iniciou o trabalho desta original peça para o cinema, não faz muito tempo. O produtor Walter Shenson e o diretor Richard Lester observaram seus mais novos astros da tela atuarem durante o Natal e Ano Novo, no palco do Astoria do Finsbury Park de Londres. John e Paul iniciaram uma coleção de novas composições para a trilha sonora, ao mesmo tempo que "The Beatles" se apresentavam no Olympic de Paris. Uma manhã, algum tempo depois, num trem especialmente fretado, iniciou-se a carreira cinematográfica de "The Beatles". Carretel sobre carretel de precioso filme já enchiam as latas, antes mesmo que fosse selecionado um título para este filme da United Artist. Foi quando Ringo, casualmente, surgiu com o nome ao fim de uma agitada sessão no set de filmagem: "É a noite de um dia duro!" — declarou ele, agachando-se sobre o braço de sua cadeira de lona, atrás das fileiras de câmeras e técnicos. É uma estória que se desenrola dentro das 48 horas consecutivas das atividades de quatro rapazes do grupo dos "beat". São eles: John, Paul, George e Ringo. A canção "A Hard Day's Night" ouve-se logo no princípio do filme, cantada e tocada pelos rapazes, à medida que vão passando as legendas de abertura. Este número apresenta a voz de John dublada, produzindo um efeito de dueto. Seu tema de grande vivacidade e impulsão, brota de forma orquestral de vez em quando. "I Should Have Known Better" se ouve durante uma sequência do trem, quando os quatro rapazes estão jogando cartas no vagão do condutor. John e Paul coparticipam da vocalização em "If I Feel", a primeira de quatro músicas apresentadas em sequência de teatro e estúdio, e que mostram o grupo ensaiando para finalizarem com uma apresentação espetacular numa televisão. "I'm Happy Just to Dance With You", dá uma oportunidade a George de conduzir a parte vocal. Com "I Love Her", Paul evidencia o solo; juntamente com John fazem "Tell Me Why". O último destes magníficos números da trilha sonora é "Can't Buy Me Love"; um sucesso mundial com "The Beatles". Já "A Hard Day's Night" faz o fundo musical para diferentes cenas — quando, por exemplo, os rapazes aparecem perseguidos através de um campo, após uma fuga rápida do estúdio de televisão; e a incrível e furiosa corrida entre os "Beatles", seus fans e a polícia, pelas ruas e alamedas abaixo. Criando e aperfeiçoando inteiramente novas composições para a trilha sonora do filme a que temos nos referido, Paul e John apresentam um dos maiores desafios de sua carreira de compositores de músicas populares. No passado compunham sem qualquer pressa. Há pouco tempo, com programa de trabalho dentro de um horário que lhes parecia cada vez mais curto, e uma coleção de novos números para serem selecionados durante uma série de apresentação em Paris, e ainda com uma lendária visita à América. Para ajudar nos ensaios eles mandaram colocar um piano no seu apartamento do hotel George V de Paris. Em breve a tarefa fora completada e "The Beatles" eram possuidores de nada menos de doze novas composições prontas para o último ensaio. A cada novo estágio de concepção e produção, cuidavam para que o filme não viesse a ser apenas uma, ou mais uma parada de representações de "The Beatles". Afinal de contas, haviam concordado entre eles que o filme deveria retratar as diferentes facetas da personalidade de cada um deles, o mais que possível. Com efeito, o conteúdo cômico foi e é de suma importância; e John, Paul, George e Ringo aproveitaram todas as oportunidades para mostrarem seu senso de humor. Ficou evidente que não mais de seis novas gravações seriam inseridas no filme, pois um maior número deixaria pouco tempo para a ação do enredo. Por outro lado, não parecia muito justo deixar de lado as músicas restantes, quando cada uma delas possuía suas grandes qualidades. Eventualmente, tomaram a decisão de incluir essas peças no lado dois deste disco. Embora a voz de George Harrison esteja bem evidenciada neste LP, a parte vocal no lado dois está equilibrada entre John e Paul, os compositores das canções. Paul canta em "Things We Said Today", e o escutamos em dueto com John em "I'll Cry Instead". Durante a parte principal, a voz de John é a que predomina em "Any Time At All", "When I Get Home", "You Can't Do That" e "I'll Be Back", ainda que George e Paul envidem seus esforços em todas elas. Ao ouvir o lado 2 deste disco, você concordará que seria uma pena se se tivesse deixado de lado tão excelentes músicas, simplesmente pelo fato de não terem entrado no filme. Agora, com este LP você terá uma série de grandes sucessos de "The Beatles", ampla e atual. Ao mesmo tempo, é sempre bom lembrar que este é o primeiro LP com músicas compostas e interpretadas por "The Beatles". Tony Barrow

2 comentários:

Valdir Junior disse...

Numa época sem muita informação, esses textos na contra capa eram ouro.

João Carlos disse...

Quantas vezes não lemos estes textos naqueles anos? Valeu mesmo!